Último pavilhão de Le Corbusier reabre em Zurique

Depois de um contrato de arrendamento de 50 anos, o prédio voltou a ser propriedade da cidade suíça

Por Yara Guerra Atualizado em 17 fev 2020, 16h01 - Publicado em 4 jul 2019, 15h54
Divulgação/Casa.com.br

O último projeto construído pelo pioneiro da arquitetura moderna, Le Corbusier, foi reaberto em Zurique (Suíça) neste ano. O pavilhão colorido, que leva o nome de seu artista, foi restaurado pelos arquitetos Silvio Schmed e Arthur Rüegg na sua localização original.

De estrutura de vidro e de aço, o museu foi um ponto fora da curva entre as obras de Le Corbusier, cuja predileção sempre foi o uso de concreto.

Divulgação/Casa.com.br

As obras do pavilhão começaram em 1964 e finalizaram em 1967, dois anos após a morte do arquiteto. Com quatro andares, o prédio foi encomendado para a designer de interiores e galerista Heidi Weber, amiga de Le Corbusier, que definiu que o pavilhão abrigaria suas obras de arte.

Depois de um contrato de arrendamento de 50 anos do conselho de Zurique sobre a terra em que se encontra, em 2014, o pavilhão – classificado como patrimônio – voltou a ser propriedade da cidade.

Continua após a publicidade

Divulgação/Casa.com.br

A fachada da estrutura possui grandes painéis de esmalte pintados de branco e cores primárias, e é coberta por um terraço no telhado, acessível por uma rampa de concreto.

Pesando 40 toneladas, o teto é composto por duas chapas de metal soldadas, pré-fabricadas fora do local e instaladas lá posteriormente.

Divulgação/Casa.com.br

O telhado foi o primeiro a ser posto no local, para abrigar o resto da construção. Armações de aço com um design modular foram montadas embaixo e, depois, as paredes, pisos, janelas e portas foram fixadas no lugar com 20.000 parafusos de aço.

Continua após a publicidade

Publicidade