Celulares são doados a catadores do aplicativo Cataki em ação social

A cada smartphone doado, um catador de materiais recicláveis pode fazer parte do aplicativo e aumentar de 15 a 100% sua renda mensal

Por Alex Alcantara Atualizado em 17 fev 2020, 15h49 - Publicado em 26 set 2019, 12h50
Fabiano Soares, um dos 2400 catadores já conectados no app. Bruno Rezende/Casa.com.br

Se você nunca ouviu falar, fica esperto: o Cataki é um aplicativo incrível, que une catadores a pessoas que querem se desfazer de resíduos para serem reciclados. Lançado no início de 2018 ano, pela ONG Pimp My Carroça, do grafiteiro e ativista Mundano, o aplicativo funciona de forma similar aos apps de transporte. O usuário faz um cadastro, especifica o tipo de resíduo que precisa descartar, e o Cataki mostra quais são os catadores mais próximos que podem retirar os materiais. (Para saber mais sobre a plataforma clique aqui!)

Divulgação/Casa.com.br

Já a ONG Pimp My Carroça é um projeto que visa valorizar ainda mais o trabalho destas pessoas, que são responsáveis por reciclar 90% de todos os recicláveis produzidos no Brasil. “Nosso objetivo é deixar a carroça bem bonita, colorida e tunada”, diz João Bourroul, responsável pela comunicação do Pimp My Carroça. (Clique aqui e conheça mais sobre o projeto)

Uma das problemáticas que surgiu com a ideia do Cataki era “como os catadores se conectarão aos usuários do app sendo que, sequer, possuíam um celular para ter acesso à plataforma digital?”. Pensando em solucionar esse pequeno empecilho, o Quebrando Tabu junto à ONG, decidiu lançar uma campanha, pedindo para as pessoas que possuíam um smartphone antigo em casa, em boas condições, pudessem doá-lo para esses trabalhadores.

Continua após a publicidade

A ação teve tanto sucesso, que celulares chegavam pelo Correios em grande números, e muitas pessoas foram pessoalmente até à ONG para entregá-los. Além disso, a Motorola se sensibilizou também com a campanha e fez uma oferta generosa de aparelhos aos trabalhadores, que necessitavam dessa ferramenta de ofício. “Essa é uma iniciativa importante que condiz com tudo aquilo que a Motorola acredita, que é a tecnologia ajudando a conectar pessoas e trazer inovação para a sociedade. O aplicativo, aproxima pessoas com resíduos à um catador que está próximo e combinar a retirada de móveis, objetos e outros materiais recicláveis”, comenta Juliana Mott, head de marketing da Motorola no Brasil.

A ação visa ajudar a aumentar o número de coletas e consequentemente o aumento da renda dos catadores. A cada smartphone doado, um catador de materiais recicláveis pode fazer parte do aplicativo e aumentar de 15 a 100% sua renda mensal. Além disso, a ação também terá impacto positivo no meio ambiente, já que a estimativa é que aumente de 10 a 30% o número de material coletado por cada catador nas ruas.

Elismaura e Aldo. Reprodução/Casa.com.br

O Cataki tem alcance nacional e está presente em mais de 450 cidades brasileiras e todo mundo pode ajudar a iniciativa. O consumidor que tiver um smartphone em boas condições, pode entrar em contato pela página do Facebook do Quebrando o Tabu e também realizar a sua doação.

Continua após a publicidade

Publicidade