Casa Created with Sketch.

#blackouttuesday: profissionais do morar aderem ato de conscientização

O intuito da hashtag é promover um dia sem publicações, interrompendo as atividades rotineiras das redes sociais e destinar fundos às manifestações

(Photo by Bryan R. Smith / AFP)

(Photo by Bryan R. Smith / AFP) (Reprodução/Casa.com.br)

Não precisa ser negro para lutar contra o racismo, não precisa ser mulher para lutar contra o machismo, não precisa ser refugiado para lutar contra a xenofobia e você não precisa ser gay para lutar contra a homofobia“. Essa foi a campanha Rio sem Preconceito, lançada em 2013, pela Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio (Ceds) e que, hoje, mais do que nunca, torna-se ainda mais atual e necessária, mesmo 7 anos depois de sua apresentação à sociedade.

 (Reprodução/Casa.com.br)

Na última semana, os veículos de comunicação e as redes sociais foram tomadas pelo repúdio ao assassinato de George Floyd – um americano preto, de 46 anos, que sofreu uma abordagem violenta e desnecessária, de um agente branco, que o sufocou com o joelho até a morte, por 8 minutos e 46 segundos. Sendo que, segundo as gravações feitas e as testemunhas do fato, não houve reação de George à abordagem, e seu único pedido era o de respirar, já que o policial pressionava seu pescoço contra o chão.

 (Reprodução/Casa.com.br)

O caso, somado a muitos outros de racismo e violência à comunidade preta, gerou revoltas, principalmente nos EUA, onde mais de 75 cidades estão em manifestações diárias à pedido de justiça e de respeito aos direitos humanos e principalmente, ao povo preto.

 (Reprodução/Casa.com.br)

Com isso, as redes sociais também foram tomadas por campanhas e movimentos de conscientização, de luta e de apoio ao próximo, em um ato empático, de defesa e de solidariedade a todas as pessoas que passam/passaram por atitudes racistas.

 (Reprodução/Casa.com.br)

Desde o dia do lastimoso ocorrido, as redes sociais foram tomadas pela hashtag #blacklivesmatter, em referência ao movimento de direitos humanos Black Lives Matter, que faz campanhas contra o racismo. No entanto, os usuários foram solicitados a remover essa hashtag, pois ela pode ser usada para que as pessoas encontrem informações sobre os protestos atuais.

Porém, as pessoas acordaram hoje e se deparam com um novo movimento. Os feeds das redes sociais foram tomados por um quadrado preto com a legenda #blackouttuesday. A ação nasceu no meio musical como uma maneira de unir esforços digitais e somar às manifestações em solidariedade aos últimos crimes cometidos no mundo todo contra a comunidade preta.

 (Reprodução/Casa.com.br)

O intuito da hashtag é promover um dia sem publicações, interrompendo as atividades rotineiras das redes sociais. Junto à tag, alguns profissionais incluíram links para apoiar os fundos que foram estabelecidos para o caso Floyd e os impactados pelos protestos. Isso inclui o Fundo Oficial George Floyd Memorial,  juntamente com outras iniciativas para pagar a fiança dos presos durante os protestos nos EUA.

 (Reprodução/Casa.com.br)

Profissionais do universo do morar brasileiro e marcas (inclusive a gente) se uniram à campanha e aderiram a Black Out Tuesday. Confira alguns deles abaixo:

View this post on Instagram

#blackouttuesday ✊🏿✊🏻

A post shared by SP Estudio Arquitetura (@spestudio) on

https://www.instagram.com/p/CA8TvRmDVwg/?igshid=hwxkb7cfzea1

View this post on Instagram

BLACK LIVES MATTER #blackouttuesday

A post shared by Studio Ro+Ca (@studioroca) on

View this post on Instagram

#blackouttuesday

A post shared by Mauricio Arruda (@mauricioarruda) on

View this post on Instagram

#blackouttuesday ✊🏾

A post shared by Casa.com.br (@casacombr) on


Além disso, o Spotify criou uma playlist ótima, de empoderamento e de orgulho preto! Vale a pena escutar e se inspirar por artistas que fizeram história no mundo todo, falando sobre a luta através da música:

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.