Design Weekend by bike: repórter visitou os estúdios de bicicleta

A jornalista Natália Garcia, autora do projeto Cidade para Pessoas, pedalou entre os estúdios de designers participantes do DW de olho no design nas ruas de São Paulo

Por Por Natália Garcia, jornalista e autora do projeto Cidades Para Pessoas Atualizado em 14 set 2018, 21h06 - Publicado em 23 ago 2012, 20h06

“São Paulo vai parar para ver, viver e celebrar o design”, diz o slogan do evento Design Weekend, evento que acontece em São Paulo entre os dias 23 e 26 de agosto de 2012. São quatro dias de atrações pela cidade, relacionadas a arte, decoração, arquitetura, urbanismo e design. Uma bela oportunidade para atentar o olhar, durante os deslocamentos, e vislumbrar o design também dos espaços públicos. Afinal, como diz a urbanista Norma Lacerda, é aí que mora a alma das cidades. Foi em busca da alma de São Paulo que saí com minha bicicleta disposta a fotografar equipamentos de design urbano. Tracei uma rota que passava pelos ateliês dos designers Fabio Galeazzo, Paulo Alves, Guto Requena e Enrique Rodrigues, que estarão abertos à visitação durante todo o Design Weekend. Terminei o trajeto no MIS (Museu da Imagem e do Som), para conferir a instalação de Marco Brajovik.

O tempo seco não era dos mais convidativos. Em compensação, o sol de agosto ainda é ameno e o passeio foi agradável. Na rua, todos olhavam desconfiados quando me viam fotografar calçadas, canteiros, praças, lixeiras e fachadas. Natural. Eu estava em busca do que é belo e, em geral, isso passa despercebido enquanto as pessoas se locomovem. E, hoje, conversando com os designers tive ainda mais certeza: o design pode influenciar positivamente as relações entre as pessoas pela cidade. Se não fosse assim, por que o arquiteto Paulo Alves faria uma horta na calçada ou reformaria o ponto de taxi em frente ao seu ateliê. Leia essa e outras histórias abaixo.

Publicidade