Construções, objetos e acessórios evocam motivos marinhos

Como resistir ao sopro de renovação que o doce balanço do mar suscita?

Por Texto Liège Copstein Atualizado em 14 dez 2016, 11h45 - Publicado em 8 jan 2015, 19h38

A vida surgiu nas profundezas. Talvez isso explique por que, há séculos, somos atraídos pelos mistérios do oceano. Renoir (1841-1919) e Monet (1840-1926) eternizaram paisagens marinhas em suas pinturas. Ilíada e Odisseia, de Homero, são verdadeiras sagas náuticas. Camões (1524-1580) navegou por águas revoltas em Os Lusíadas. Sem abismos, batalhas ou ondas (ao menos, literais), madame Coco Chanel (1883-1971) fez do estilo dos marinheiros um clássico da maison, agora revisitado por Karl Lagerfeld na coleção primavera/verão 2015. O mesmo espírito orienta também criações de arquitetos e designers, a exemplo da mesa Abyss, que retrata um pedacinho da imensidão azul. Mergulhe sem medo!

Publicidade