Casa Created with Sketch.

Cabeças de bicho na parede: tá na moda?

Três dos ambientes mais chiques de Casa Cor São Paulo expõem animais (de verdade ou de mentira) na parede, fica a questão: é tendência?

Cabana no interior de São Paulo. Projeto do Engenheiro Luiz Fernando Bressan.

 (/)

João Armentano, Marina Linhares e Roberto Migotto usaram cabeças de animais na parede. Armentano colocou um boi no Estar do mirante, Linhares expôs uma cabeça de antílope empalhada na Casa 2 e Migotto brincou com um alce de acrílico na Casa 3. É tendência? Parece que sim. Mas o assunto provoca muita discussão. Leia os depoimentos abaixo ou vá direto para as fotos:

João Armentano: “Minha última viagem com minha mulher à Índia foi muito marcante. Como para eles a vaca é um animal sagrado, usei a cabeça de acrílico da Benedixt com uma auréola”.

Marina Linhares: “Escolhi a cabeça de antílope empalhada porque tinha tudo a ver com a proposta do ambiente. Acho que é uma peça de decoração forte, que deve ser usada apenas dentro de um contexto”.

Roberto Migotto: “Como meu ambiente faz referência às antigas cabanas da Escandinávia, optei por uma cabeça na decoração, mas preferi esse modelo de acrílico da Éria”

Roberto Negrete: “Sou radicalmente contra. A cabeça de animal, mesmo que falsa, simboliza um troféu da caça, a superioridade da raça humana, explica. Eu prefiro acreditar que evoluímos e não precisamos constatar nosso poder através da violência.”

Fábio Galeazzo: “Gosto das formar lúdicas usadas para apresentar as cabeças. Dependendo do ambiente, dá um toque engraçado, bem humorado. A decoração tem ficado mais despojada e permite esse tipo de brincadeira.”

Fernando Piva: “Não aprecio cabeças de animais, mas se a personalidade do morador permitir, não vejo nenhum problema. Pessoalmente tenho aflição de animais empalhados, acho as réplicas mais divertidas.”

Pedro Ariel (redator-chefe da revista Casa Claudia): “o uso vem de países com tradição de caça. No Brasil, aparece em cidades do Sul ou em restaurantes. Com a preocupação ecológica, as cabeças foram abominadas. Hoje, as releituras como o alce de acrílico no ambiente do Migoto, na Casa Cor, são bem vindas, de muito bom gosto.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s