Acessórios anti-assédio são uma necessidade (infelizmente)

Estudantes da universidade de Brunel criaram cinco produtos para ajudar as mulheres a se defenderem

Por Redação Atualizado em 3 ago 2022, 09h25 - Publicado em 23 jul 2022, 19h00
Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

Infelizmente as divulgações de acessórios anti-assédio estão cada vez mais comuns, assim como as notícias de mulheres sendo violentadas. Neste cenário, uma forma que muitas encontraram para se proteger é tendo consigo produtos de autodefesa.

Ficou muito famoso no TikTok vídeos de mulheres carregando, junto com a suas chaves de casa e do carro, alarmes e outras ferramentas que podem quebrar vidros e machucar o agressor – o kit é vendido na internet.

Acessórios anti-assédio
Safed Girl/Reprodução

Para aumentar a lista de produtos para as mulheres, que enfrentam diferentes situações violentas todos os dias, estudantes da Universidade de Brunel criaram cinco conceitos de produtos para auxiliar na defesa contra assédio físico e sexual.

Um copo que detecta alterações na bebida e um acessório que bloqueia fotos íntimas, quando a mulher está usando saia ou vestido, são alguns deles. Este foi o resultado de um projeto que incentivou alunos a imaginarem aparelhos para a joalheria americana Tiffany & Co baseados em tecnologias emergentes, que eles acham que estarão disponíveis nos próximos 10 a 15 anos.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

Na mostra de pós-graduação New Designers em Londres, esses conceitos foram exibidos na forma de modelos em escala real, elaborados para sugerir como as empresas podem ajudar a lidar com os crescentes medos em torno da violência contra as mulheres nas cidades.

O projeto foi uma resposta direta aos assassinatos de alto nível de Sarah Everard e Sabina Nessa – duas mulheres britânicas que foram atacadas e mortas no ano passado enquanto caminhavam sozinhas para casa à noite. Embora não relacionados, os casos geraram amplas discussões sobre a segurança das mulheres, juntamente com estatísticas que mostram que os incidentes de consumo de bebidas alcoólicas e abuso doméstico estão aumentando no Reino Unido.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

Globalmente, uma em cada três mulheres sofreu violência física ou sexual em sua vida, sem levar em conta o aumento da violência de gênero causada pela pandemia de coronavírus.

Os alunos da Brunel University argumentam que empresas como a Tiffany & Co deveriam tomar a iniciativa de criar produtos para ajudar a combater esse problema, pois já contam com a confiança das mulheres e afirmam promover o empoderamento feminino. Com isso em mente, as ideias criadas são práticas, cada um construído para um ambiente diferente – do bar ao trabalho -, e possuem o acabamento na assinatura da cor da marca.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

“Toda a tecnologia tem evidências científicas para mostrar que é possível. Mas alguns podem ser mais fáceis de implementar mais cedo do que outros”, explica a estudante Chloe McCourt.

Continua após a publicidade

Para ajudar as mulheres a se sentirem mais seguras durante a noite, o estudante Henry Copeland produziu um copo com um sensor inteligente embutido em sua base, que piscaria em vermelho ao detectar que uma bebida foi batizada com drogas. Depois, o produto pode ser colocado na máquina de lavar louça e o calor da água irá redefinir o sensor para que possa ser reutilizado.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

Wysiana Patricia abordou a questão das fotos íntimas no transporte público, que envolve fotografar debaixo da saia ou do vestido de alguém sem o seu consentimento. Em resposta, ela imaginou um decodificador de bolso que as mulheres podem fixar no fundo de suas bolsas, o que emitiria radiação infravermelha para interromper qualquer gravação visual feita por baixo.

Da mesma forma, Sophie Lazenby desenvolveu um colar que as mulheres podem usar como um mecanismo de defesa não violento enquanto caminham sozinhas para casa. Ao contrário do spray de pimenta, que são considerados armas de fogo e, portanto, ilegais, isso faria uso de luzes LED integradas na parte frontal e traseira do dispositivo, juntamente com sensores de pulso e movimento para detectar possíveis ameaças.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

Quando ativados, os LEDs emitem flashes brilhantes e luzes estroboscópicas para distrair o agressor através de um efeito confuso e nauseante chamado de vertigem cintilante.

“Isso faz você se sentir realmente desorientado só de olhar para a luz bruxuleante. E isso dá à mulher a chance de correr, pedir ajuda pelo telefone ou ir à loja mais próxima”, disse Lazenby.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

O próprio projeto de McCourt é outra peça de tecnologia vestível na forma de um colar, que detecta quando o usuário está sendo assediado no local de trabalho e muda de cor para alertar o agressor de seu comportamento.

“Se não o fizerem, a câmera grava o que está acontecendo e depois envia o vídeo para o RH”, explicou a estudante.

Acessórios anti-assédio
Reprodução/Dezeen

Finalmente, o projeto de Binns lida com os efeitos traumáticos de sofrer abuso doméstico na forma de um espelho pequeno e compacto, que funciona como uma ferramenta de terapia em movimento para as vítimas. Este contém almofadas vibratórias que fornecem feedback háptico, fazendo uso de um tipo experimental de psicoterapia chamado EMDR, desenvolvido nos anos 80 para ajudar os pacientes a lidar com experiências traumáticas.

“Quando você tem sentimentos debilitantes de ansiedade, que podem surgir a qualquer momento, especialmente com TEPT, você pode tirar 15 minutos, sentar em um banco de parque e segurar o háptico em e cada mão”, explicou.

Via Dezeen

Continua após a publicidade

Publicidade