Casa Created with Sketch.

Reforma sem estresse? É possível!

O segredo está no planejamento - contar com mão de obra qualificada, claro, é outro pré-requisito básico.

A instalação do piso de madeira é uma das etapas mais complexas de uma obr...

 (/)

Não comece nada sem um bom projeto Nada atrasa e encarece mais uma reforma do que mudar de ideia com a obra em andamento. Portanto, coloque no papel o que você deseja trocar e refazer, procure um arquiteto ou designer de interiores e defina com ele o projeto, incluindo a especificação dos novos acabamentos. “Muitas vezes, a instalação de uma hidromassagem exige um redimensionamento na parte elétrica. Sem a ajuda de um profissional experiente, corre-se o risco de instalar a peça e comprometer a energia da casa inteira”, fala o mestre de obras Luciano Dalarme, que só trabalha sob a orientação de um arquiteto ou designer de interiores. Um projeto de reforma costuma demorar de 30 a 45 dias para ser concluído e deve incluir planta de demolição e construção de paredes, distribuição de móveis, forro de gesso, elétrica, hidráulica, detalhamento da marcenaria e especificação dos materiais.

Orçamentos e contrato

Depois de aprovado o projeto, o profissional – arquiteto, engenheiro ou designer de interiores – deve orçar os itens, incluindo material e mão de obra. Uma planilha é montada determinando as etapas da reforma de acordo com o tipo de serviço e os prazos de entrega. “Assim, o profissional tem condições de fornecer ao proprietário um contrato, em que consta a data de término do trabalho”, explica o engenheiro Gley Radelsberger Lima. É nessa altura ainda que a marcenaria (incluindo portas e janelas) e os demais materiais devem ser encomendados, pois a confecção das peças e a entrega de alguns produtos podem passar de 60 dias.

Um título para uma foto sem titulo

 (/)

Boa dica: “Se tiver espaço para armazenar todo o material da reforma, compre tudo de uma vez no início da obra. Isso gera o total controle no orçamento e anula atrasos. Se não for o seu caso, negocie com os fornecedores os melhores prazos de entrega”, diz Gley Radelsberger Lima, engenheiro.

É hora de colocar mãos à obra

Com o custo e o prazo acertados, os pedreiros entram em ação. A primeira providência é proteger as áreas onde não haverá obra, como pisos, portas etc. Em seguida, vem a desmontagem do que será novamente usado (vasos sanitários, por exemplo), a retirada dos revestimentos e as demolições. O passo seguinte é a remoção do entulho, deixando o espaço livre para os profissionais trabalharem. Erguem-se, então, as eventuais alvenarias e têm início as instalações elétrica e hidráulica. “Essa é uma das etapas mais demoradas, mas não se deve apressá-la. Instalações malfeitas trarão resultados desastrosos no futuro”, alerta a designer de interiores Carla Yasuda.

A base para um bom acabamento

Enquanto hidráulica e elétrica estão sendo concluídas, o gesseiro pode instalar os forros e, se for o caso, paredes e painéis de drywall. O serviço é rápido, sendo seguido pela impermeabilização das áreas molhadas e pelo nivelamento de pisos e paredes que ganharão novos revestimentos. Alvenarias que serão pintadas ganham a primeira demão de tinta e o forro de gesso é masseado. Nas áreas que receberão revestimento cerâmico, o profissional começa pela instalação do piso, depois das paredes e deixa por último o acabamento do forro. Atenção: ambientes onde o chão levará madeira precisam de um contrapiso cimentado e bem nivelado, cuja secagem demora cerca de 30 dias. “Essa espera deve ser respeitada, senão a umidade danificará o revestimento”, explica a arquiteta Carla Pontes. Para reduzir esse prazo, pode-se aplicar um impermeabilizante no contrapiso 15 dias após sua instalação. “Mesmo assim, é fundamental que o instalador faça um teste para verificar a umidade do contrapiso”, fala Ricardo Pontes. Para evitar o prejuízo, o arquiteto sempre recomenda em casas térreas a execução de uma laje impermeabilizada sob o contrapiso. “Isso garante que a umidade do solo não chegue até a madeira.” Em regiões úmidas, ele aconselha usar argamassa impermeabilizada nas paredes até a altura de 50 cm.

Só após 15 dias da instalação, no mínimo, é que o piso de madeira pode ...

 (/)

Boa dica: “Procure se cercar de profissionais especializados. Azulejista, para os revestimentos cerâmicos, marmorista, para o mármore, e assim por diante. O mais prudente é sempre pedir a indicação de mão de obra para o fornecedor do material”, diz Ricardo Mura, arquiteto.

Respeito à madeira

A essa altura, a reforma já está praticamente na metade, tempo de entrar com o piso das salas e dos quartos. Se sua opção for tacos ou assoalho de tábua corrida, é fundamental contratar empresas com boas referências. “A madeira de má qualidade certamente trará problemas. Por exemplo, se ela estiver úmida, o piso sofrerá deformação depois de colocado. Outro risco é adquirir peças que não passaram por tratamento anticupim. Essa praga chega a ficar encubada por até um ano na madeira. O ideal é adquirir o produto com uma garantia acima desse prazo”, alerta Ricardo Pontes. Saiba, porém, que revestimentos de madeira levam de 15 a 20 dias para se acomodarem no contrapiso, antes do que não podem ser lixados e envernizados. Para não atrasar o andamento da obra, o correto é proteger o chão e partir para o acabamento dos forros de gesso e das paredes. Como a massa de rejunte e a cola sofrem evaporação, cubra o piso somente dois dias após a instalação. Tal proteção pode ser feita com papelão ou plástico bolha, sempre com a parte lisa voltada para a madeira.

Um título para uma foto sem titulo

 (/)

Para ficar atento!

Assentada numa área de mata, a casa térrea de Regina recebe toda a umidade característica de solos virgens. “Para evitar infiltrações, a construção deveria ter sido erguida sobre uma laje impermeabilizada. Apenas um contrapiso, mesmo que também impermeabilizado, não consegue conter a umidade, que passará para o revestimento”, justifica o arquiteto Ricardo Pontes. Nesse caso, pisos de madeira estão proibidos, já cerâmicas absorvem menos umidade.

Antes da pintura

Pedras, cimento queimado, placas cimentícias e pastilhas causam muita sujeira no local, por isso não devem ser assentados no piso depois do acabamento das paredes. Faça o mesmo com a marcenaria fixa: “Peça ao montador para instalar os pontos de apoio dos móveis antes de a parede ser pintada. Depois, fica mais fácil encaixar as peças na alvenaria sem danificar a tinta”, fala o arquiteto Ricardo Miura. Portas e janelas também devem ser colocadas nessa fase. Pisos que chegam prontos, como carpetes, laminados e vinílicos, podem ser colocados pós-pintura. Se a escolha for papel ou tecido na parede, programe a instalação para a última etapa da reforma.

Na reta final Agora falta pouco. Depois do acabamento das paredes e dos pisos, já é possível instalar os espelhos de luz, as tomadas, as luminárias e os rodapés. A marcenaria e as cortinas também já podem entrar. Paralelamente, as louças sanitárias, as bancadas e os metais são instalados em banheiros e cozinhas. “Mais uma vez, contar com mão de obra competente é fundamental para não estragar o que já foi feito. Mesmo assim, é bom deixar o pintor de prontidão para os retoques”, diz Carla Yassuda.

Para evitar que a poeira da obra danifique os metais, programe a instalação...

 (/)

Boa dica: “Não dispense o profissional antes de conferir e testar o trabalho de cada um. Ao lado do eletricista, por exemplo, cheque se os pontos de luz estão funcionando e, juntamente com o instalador dos metais, abra todas as torneiras e veja se tudo confere”, diz Luciano Dalarme, mestre de obras.

Vilões do atraso

Além de mudanças no projeto, outros fatores também alongam o calendário da obra. Trabalhar com produtos importados é sempre um risco. Não raro, esses artigos têm problema na alfândega e aí não há nada a ser feito senão esperar a liberação. Evite dar início à empreitada sem se certificar das normas do condomínio em relação a barulho, retirada e chegada de material. Muitas vezes, o tempo permitido não coincide com a planilha do arquiteto, o que significa refazer toda a programação. “Já vi muita obra estacionar por causa do vizinho do apartamento de baixo. Se for mudar de lugar os pontos hidráulicos, veja se ele concorda em quebrar seu forro. Caso contrário, desista”, aconselha o mestre de obras Luciano.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s