O estilo dos franceses

Saiba como vivem os franceses no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Por Reportagem Visual: Cristina Bava e Araci Queiroz Texto: Denise Gustavsen Fotos: Eduardo Delfim e André Nazareth (família D’archemont) Atualizado em 14 dez 2016, 12h29 - Publicado em 10 mar 2009, 22h18

Em comemoração ao Ano da França no Brasil, iniciamos uma série de reportagens que mostra a contribuição da cultura francesa na decoração e no design. Nesta edição, conheça o jeito de viver de personagens que nasceram em Paris e em outros pontos do país e hoje moram em São Paulo e no Rio de Janeiro. De características diferentes, as casas têm em comum uma elegância natural e fortes referências pessoais trazidas na bagagem. Entre as personagens, conheça a produtora de eventos Sylvie Junck, o professor Stéphane Malysse, os condes Pierre e Bettina e a família de Matthieu Halbronn. E para ficar por dentro do que é tendência no exterior, saiba o que as feiras de decoração internacionais lançam. Para isso, consulte sempre a área de feiras e eventos.

A produtora de eventos Sylvie Junck vive numa casa iluminada. Não apenas porque o sol banha todos os cantos da construção, mas porque cada peça tem uma história rica para contar. Algumas trazidas de viagens pelo planeta, outras achadas em brechós de São Paulo. Todas muito especiais, referências de uma vida gostosamente bem vivida. Há 23 anos, Sylvie e o marido, o publicitário Fred, deixaram Paris para trás em busca de novas experiências no Brasil, que ele já conhecia da época de estudante. Foram ficando, ficando e acabaram naturalizados. Da França, guardam o sotaque forte, saudades dos amigos e um indiscutível savoir faire.

Stéphane Malysse, professor de antropologia da Universidade de São Paulo, é um bálsamo para o olhar. Dois lances de escada acima revelam o hall encarnado e, momentos depois, uma profusão de escolhas tão acertadas e originais quanto o discurso do morador. Quando comprou o lugar, em 2006, ele convocou o arquiteto Christian-Jack Heymès para inverter a planta de acordo com uma máxima francesa: a cozinha é o centro da casa. Portanto, nada mais natural do que levá-la para perto do jardim. Depois pontuou o ambiente com pigmentos vibrantes.

O ar nobre desta casa expressa a alma dos condes Pierre e Bettina – ele descendente dos Le Marie d’Archemont, importantes antiquários da região de Marselha. Como num conto de fadas, a brasileira conheceu seu príncipe encantado durante temporada de estudos em Grenoble, há 20 anos, e lá se casaram. Nos anos 1990, quando ele foi convidado a comandar uma multinacional francesa no Rio de Janeiro, o casal trouxe na mudança alguns móveis e objetos que serviram de inspiração para criar a marca Secrets de Famille. O autêntico espírito d’Archemont também aparece à mesa quando o casal e as filhas, Lola, Chloé e Nina, se reúnem em torno de pão fresco, queijo de cabra, salada verde e vinho. Um ritual francês típico.

Se você encontrar um grupo de franceses fazendo um delicioso piquenique, com direito a vinho, baguete, queijo e presunto, no parque Villa-Lobos, em São Paulo, é bem provável que Bénédicte Salles,Matthieu Halbronn e a pequena Luma estejam juntos. A família cultua esse e outros prazeres típicos de quem vivia no sul da França até pouco tempo atrás. Pedalar pelas sossegadas ruas do bairro, preparar quiches e receber bem os amigos entram nessa lista. Eles vivem hoje em uma espaçosa casa no Alto de Pinheiros, com a ala social aberta para um petitjardim, onde passarinhos cantam em dias ensolarados. A decoração? Peças assinadas aliadas a outras da grife de móveis do casal, a Futon Company. Talvez isso explique a falta de saudades de seu país.

Continua após a publicidade
Publicidade