Moradia em Londres é a mais supervalorizada do mundo

O mais recente relatório do UBS Global Real Estate Bubble Index avaliou 15 cidades do mundo e indica que Londres é a mais supervalorizada de todas, com risco, inclusive, de viver uma bolha imobiliária

Por Mari Bruno Atualizado em 14 dez 2016, 12h23 - Publicado em 29 out 2015, 16h23
abre-moradia-em-londres-e-a-mais-supervalorizada-do-mundo

Especializado em rastrear o risco de bolhas imobiliárias no mundo, o mais recente relatório do UBS Global Real Estate Bubble Index avaliou 15 cidades do mundo e trouxe más notícias para Londres, considerando que a capital inglesa corre risco de vivenciar uma bolha imobiliária. A cidade chinesa de Hong Kong também deve tomar cuidado.

“Os verdadeiros preços médios de habitação subiram quase 40% desde o início de 2013, mais do que compensando todas as perdas desencadeadas pela crise financeira. O aumento fez de Londres uma das cidades mais caras do mundo”, diz o relatório. “Um trabalhador qualificado do setor de serviços leva aproximadamente 14 anos de salário médio para poder comprar uma habitação de 60m2; o custo de comprar um apartamento é comparável a alugá-lo por 30 anos”.

UBS todos

Para o UBS (Union de Banques Suisses em francês), a demanda externa, a busca por portos-seguros, a valorização de imóveis em cidades asiáticas e os compradores nacionais têm seu papel na valorização: “Os preços das casas de Londres, em termos reais, estão 6% acima do pico de 2007 apesar dos preços em todo o país terem diminuído em 18%. A dissociação do mercado imobiliário Londres a partir do resto do Reino Unido é ainda mais drástica considerando que, no mesmo período, o rendimento médio real caiu 7% tanto em Londres e em todo o Reino Unido”.

Continua após a publicidade

“Das 15 cidades examinadas no relatório, 12 se descobriram ou supervalorizadas ou em risco de uma bolha. Somente Nova York e Boston foram descobertas justamente valorizadas em relação à sua própria história, enquanto Chicago foi subvalorizada”, observou o jornal.

Londres 2

Quem noticia é o The Guardian.

 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade