Casa na Bahia utiliza madeira e técnicas de carpintaria

No sul da Bahia, a tradição da carpintaria dá origem a projetos nos quais o material orgânico é a grande atração

Por Reportagem visual Deborah Apsan Foto Evelyn Müller Atualizado em 14 dez 2016, 10h59 - Publicado em 9 out 2014, 21h34
01-a-tradicao-da-carpintaria-no-sul-da-bahia

Para que a construção suporte o clima litorâneo, é preciso planejamento. “Primeiro, cuidado ao escolher as espécies. Vale destinar as bem secas para uso na vertical, posição em que resistem melhor, especialmente se protegidas por um beiral”, ensina o arquiteto Daniel Fromer, autor deste projeto e sócio do escritório paulistano Studio Casa 4. Com exceção da cobertura, mantida crua, as madeiras receberam aplicação de Osmocolor Stain, da Montana Química (que, nesse ambiente, pede reaplicação quando a superfície desbotar, de três a cinco anos depois).

 

– Guajará no telhado: feitas de matéria-prima certificada, as taubilhas chegam vermelhas da fábrica e, sem tratamento, ficam cinzentas com o passar do tempo. O formato sutilmente irregular reforça a rusticidade do projeto.

– Peroba no paredão: posicionadas na vertical, as réguas de material de demolição (14 cm de largura) amparam-se em caibros horizontais a cada 60 cm e têm encaixe do tipo cadeirinha, que confere firmeza ao conjunto.

– Ipê no deck: o caminho ao redor da construção usa tábuas de madeira também proveniente de demolição. Faz-se a manutenção conforme a necessidade – locais que recebem muito sol são tratados mais vezes do que os que permanecem à sombra.

Continua após a publicidade

Publicidade