Liberte sua raiva: aprenda como lidar com a emoção de modo saudável

Quase sempre reprimida, a raiva é legítima e precisa ser expressa de maneira honesta, se você quiser preservar sua saúde física e mental

Por Melissa Diniz Atualizado em 20 dez 2016, 21h25 - Publicado em 5 jun 2012, 13h40
raiva

Os dentes cerram, o coração acelera, o sangue ferve, o rosto fica vermelho e temos vontade de gritar e, às vezes, até mesmo de pular no pescoço do outro. Atire a primeira pedra quem nunca sentiu raiva, emoção quase sempre reprimida ou disfarçada para não parecermos destemperadas. “Raiva não é agressividade e nem hostilidade, são emoções diferentes”, diz Maria Teresa Nappi Moreno, doutora em psicologia clínica pelo Núcleo de Psicossomática e Psicologia Hospitalar da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e autora do livro Raiva, uma das Emoções Ligadas à Gastrite e à Esofagite (Vetor). “Quando mal trabalhada, pode ser expressa por comportamentos agressivos ou hostis”.

Para Vera Martins, especialista em medicina comportamental pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), desde crianças somos ensinadas que a raiva é uma emoção negativa, pecaminosa e típica de pessoas mal-educadas. Também acreditamos que se demonstrarmos nossa irritação, ninguém irá gostar de nós. Ou ainda que possuímos algo de ruim que precisa ser contido, do contrário seremos capazes de machucar ou até de matar alguém.

Na realidade, esse sentimento está relacionado a uma manifestação de força e energia, cuja principal função é expressar que algo não está bem, impulsionando-nos a buscar mudanças. “A partir do momento que um evento ou uma pessoa nos fere além do aceitável, vivenciamos um mal-estar que pode variar de uma sensação de aborrecimento, irritação até uma explosão de ira e fúria”, afirma em seu livro Tenha Calma! – Como Lidar com a Raiva no Trabalho e Transformá-la em Resultados Positivos (Campus Elsevier).

Emoção benéfica

 

Continua após a publicidade

Seja como for, é bom lembrar que a ira é um sentimento natural a todo ser humano e até pode ser benéfica se for expressa na medida certa. Isso porque nos ajuda a impor limites. “A raiva é um fenômeno universal, tão natural quanto a fome, a solidão, o amor ou o cansaço. A capacidade de sentir e de reagir de alguma forma a esse sentimento faz parte de nós desde que nascemos”, afirma o psiquiatra e psicanalista americano Theodore Rubin, autor de O Livro da Raiva (Cultrix).

Os argumentos acima vêm comprovar uma verdade: a ira é legítima e até saudável quando dentro de limites aceitáveis. O que muita gente não sabe, diz a psicóloga Daniela Levy, presidente da Associação de Psicologia Positiva da América Latina (APPAL), é que essa emoção tão discriminada possui aspectos muito benéficos: “Durante muito tempo, o lado bom da raiva foi negligenciado. Mas desde o surgimento da psicologia positiva, há 12 anos, compreendemos que ela tem características salutares que hoje já estão cientificamente comprovadas”.

Segundo a especialista, diversos estudos demonstram que nos momentos de fúria ativamos regiões cerebrais relacionadas ao desejo, o que nos ajuda a focar nossas atitudes e a atenção em necessidades imediatas. “Há uma crença deturpada de que quem tem inteligência emocional não manifesta a raiva, principalmente no ambiente de trabalho. Mas há formas e formas de demonstrar a insatisfação. Pontuar que algo não nos agradou não tem nada a ver com ser rude ou grosseiro”, afirma.

Quando temos consciência do que nos incomoda, fala Daniela Levy, conseguimos nos relacionar melhor com os outros. Mas, quando vivemos engolindo sapos, corremos o risco de explodir a qualquer momento, perdendo o controle de nossas emoções e descontando no primeiro que passar pela frente.

Soluções que funcionam

 

Continua após a publicidade

Veja sete ideias para lidar com a raiva de maneira assertiva:

 

Continua após a publicidade

• Encare as situações geradoras da raiva;

 

Continua após a publicidade

• Reduza a emoção usando o pensamento consciente;

 

Continua após a publicidade

• Reconheça os sentimentos dos outros e os seus;

 

Continua após a publicidade

• Não fique se justificando nem coloque a culpa no outro;

 

Continua após a publicidade

• Não deprecie a si mesma nem ao outro;

 

Continua após a publicidade

• Administre a crítica, transformando-a em feedback;

 

Continua após a publicidade

• Procure um acordo e a solução.

 

Continua após a publicidade

Fonte: Tenha Calma! – Como Lidar com a Raiva no Trabalho e Transformá-la em Resultados Positivos, Vera Martins (Campus Elsevier).

Continua após a publicidade

Publicidade