Casca de coco começa a ser reciclada em São Paulo

A partir do dia 11 de setembro quem visitar o Parque do Ibirapuera e tomar água de coco vai se deparar com uma novidade: coletores especiais para o descarte da casca da fruta

Por Por Nádia Simonelli Atualizado em 20 dez 2016, 18h13 - Publicado em 4 set 2007, 17h39
Um título para uma foto sem titulo

. Como o consumo semanal de coco verde no parque chega a 7 mil unidades, essa medida valoriza o uso de um material rico em fibras e evita a poluição da paisagem. O projeto Coco no Parque nasceu de uma parceria entre a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e o Instituto de Desenvolvimento, Educação, Análise e Legislação (IDEAL) e pretende transformar a casca dos cocos vendidos em insumos para plantio e coxim (substituto do xaxim). Os resíduos serão encaminhados para uma usina de reciclagem e serão transformados em fibra e pó. Espalhados por 10 pontos diferentes e localizados próximos aos vendedores, os coletores ficarão no Ibirapuera durante um ano e se a moda pegar, outros parques da cidade também vão ganhar essa novidade.

O xaxim está em extinção, use coxim!

Feito de troncos de samambaiaçu, o xaxim, velho conhecido de quem se interessa por jardinagem, está com os dias contados. Para fazer os famosos vasinhos, corta-se a raiz dessa espécie nativa da Mata Atlântica, que encontra-se ameaçada. A alternativa é optar pelo coxim, material semelhante ao xaxim feito de casca de coco. Além de serem mais duráveis, os vasos de fibra de coco mantém a terra úmida, o que permite menos regas nas plantas, e é naturalmente resistente a fungos. Além disso, podem ser feitos de material reciclado e sua produção não ameaça nenhuma espécie.

Continua após a publicidade

Publicidade