Casa Created with Sketch.

Como seriam 6 cômodos de pinturas famosas na vida real

O Home Advisor renderizou obras de artistas famosos como Van Gogh e Kandinsky para saber como seriam se as pinturas fossem cômodos reais

As pinturas de interiores históricos são imagens fascinantes – elas são como um meio caminho entre o trabalho da imaginação de um grande artista e um documento do passado. Enquanto artistas famosos muitas vezes trabalharam a partir de cenários da ‘vida real’, pinturas como ‘O Quarto’ de Vincent van Gogh ou ‘Minha Sala de Jantar’ de Kandinsky nos dizem mais sobre o estado de espírito do pintor, do que os ambientes propriamente.

Para os designers de interiores com inclinação artística de hoje, a existência de tais pinturas é um presente: a chance de ver móveis esquecidos e combinações de cores através dos olhos de um gênio. Para todos os outros, imaginar como esses quartos seriam na vida real dá um pouco mais de trabalho. Por isso, o HomeAdvisor resolveu criar renderizações realistas geradas por character-generated (CG) de seis das pinturas mais famosas de salas históricas.

Quarto – ‘O Quarto’ de Vincent Van Gogh

Van Gogh descreveu a pintura de seu quarto na cidade francesa de Arles como uma evocação de paz e relaxamento. A simplicidade da mobília e a sensação wabi-sabi da pintura lascada nas paredes e no assoalho parecem instantaneamente calmas e despretensiosas. A tinta azul traz à mente o Classic Blue, a cor do ano da Pantone em 2020, e prova que alguns tons são realmente atemporais.

Quarto, com uma cama de madeira com roupa de cama branca e coberta vermelha. Piso de madeira, com duas cadeiras amarelas, uma mesa de cabeceira e um guarda roupas. No meio da parede azul, uma janela com estrutura de madeira azul escura e vidro que abre no meio, à esquerda dela, um espelho. Acima da cabeceira da cama, um cabideiro e um quadro; na parede lateral da cama, quatro quadros. A imagem alterna entre a pintura de Van Gogh com esse elementos e renders realistas da obra. ‘O Quarto’ de Vincent Van Gogh

‘O Quarto’ de Vincent Van Gogh (Reprodução/HomeAdvisor)

Os ângulos irregulares e a inclusão de três paredes claustrofóbicas tendem a desfazer alguns dos efeitos calmantes, no entanto. Na imagem, o CG enfatiza o uso da luz natural da janela, o espelho suspenso e as sombras contrastantes das portas, que criam uma sensação mais espaçosa.

Conservatório – ‘The Sun Shine on the Corner’ de Grant Wood

O pintor americano Grant Wood é mais famoso por ‘American Gothic’ – a pintura de um casal de fazendeiros do lado de fora de sua casa de madeira em Iowa. Mesmo “Sun Shine” de Wood sendo um pouco menos severo, ele ainda retém os elementos da mesma melancolia e tranquilidade rural.

Sala com uma banco de madeira e um alcochoado por cima verde escrudo. Uma janelas grande com uma cortina aberta toma toda uma parede. Plantas altas decoram o ambiente. A imagem alterna entre a pintura de Grant Wtico da obra do artista. ‘The Sun Shine on the Corner’ de Grant Wood

‘The Sun Shine on the Corner’ de Grant Wood (Reprodução/HomeAdvisor)

O conservatório mantém essa sensação de silêncio enquanto atinge um nível invejável de estilo. A madeira restringia a paleta a apenas duas cores: o branco das flores, paredes e acessórios, e o verde vivo das folhas das plantas. Sombras, solo e cerâmica cor de carvão adicionam relevo. Um piso de cerâmica semelhante ao da pintura recria uma superfície fria e fácil de limpar em qualquer ambiente.

Sala de jantar – ‘Interior (minha sala de jantar)’ de Wassily Kandinsky

Kandinsky estava prestes a evoluir da arte figurativa para a arte abstrata quando pintou sua sala de jantar em 1909 – e isso fica evidente. O artista já se interessava mais pela cor e pela forma como uma espécie de ‘música visual’ do que como uma representação de fenômenos concretos.

Sala com piso de madeira, uma pesa com louças e toalha branca à esquerda, um móvel de madeira com mais louças brancas. À direitra da imagem, uma porta verde. A imagem alterna entre a obra de cores vibrantes de Wassily Kandinsky e um render realísticos, com cores mais neutras, da obra do artista. ‘Interior (minha sala de jantar)’ de Wassily Kandinsky

‘Interior (minha sala de jantar)’ de Wassily Kandinsky (Reprodução/HomeAdvisor)

Sua escolha de cores para esta peça foi provavelmente subjetiva. No entanto, o carinho que ele sente pelo espaço pode ser muito inspirador para o decorador de hoje que usa como uma amostra. As portas e os acabamentos azul-esverdeados ajudam a destacar uma sala de jantar comum.

Cozinha – ‘Interior’ de Konstantin Korovin

As paredes nuas e o piso de madeira da cozinha impressionista de Korovin contrastam fortemente com a vibrante sala de jantar de Kandinsky. O piso de madeira com painéis largos fornece uma aparência elegante que complementa as paredes mais arredondadas em estilo de troncos.

Sala de jantar, com mesa sem cadeiras e tolaha florida, com louças e vaso de flor. Na parede, um móvel de madeir com uma porta aberta guarda louças brancas, e no canto esquerdo, uma janela de vidro. A imagem alterna entre a pintura de Konstantin Korovin, com traço meio borrados e um render realista de como seria a obra do artista. ‘Interior’ de Konstantin Korovin

‘Interior’ de Konstantin Korovin (Reprodução/HomeAdvisor)

O segredo aqui é a função sobre a forma. O estilo rústico enfatiza o valor de uso de cada elemento, com babados como o padrão da toalha de mesa adicionando um toque de leveza.

Sala de estar – ‘Interior com pinturas repousantes’ de Roy Lichtenstein

A sala de estar do pioneiro da pop art Roy Lichtenstein certamente não é muito tranquila com suas listras e pontos característicos. E a abordagem 2D pretende evocar o achatamento de uma história em quadrinhos tanto quanto o espaço de uma sala da vida real.

Um sofá branco com almofadas coloridas, dus mesinhas de centro com uma peça decorativa vermelha em cada uma. o Lado, uma mesinha com abajur azul. Na parede, dois quadros. A imagem alterna entre a pintura de Roy Lichtenstein e um render realístico da obra do artista ‘Interior com pinturas repousantes’ de Roy Lichtenstein

‘Interior com pinturas repousantes’ de Roy Lichtenstein (Reprodução/HomeAdvisor)

Os designer tornaram a renderização 3D mais relaxante ao virá-la do avesso: eles colocaram uma decoração de aparência realista na sala e um par de obras de Lichtenstein na parede no lugar das ‘pinturas dentro de uma pintura’ do artista. A trama do tapete e do estofamento e a fáscia geométrica da lâmpada aumentam o sombreamento bidimensional do artista em uma forma 3D mais tangível.

Sala de Estar – ‘Sala de Estar da Imperatriz Alexandra Feodorovna, Palácio de Chalé, São Petersburgo, Rússia’ de Eduard Petrovich Hau

A aquarela da sala de estar da czarina da Rússia de Hau parece bastante elegante, ricamente decorada com vitrais e lustres e telas revivalistas do gótico. Na verdade, o escritório de Alexandra fazia parte de uma cabana construída especialmente para a czarina como uma chance de “descansar os olhos de todo aquele ouro” em sua casa ainda mais formal no palácio Peterhof. O design intrincado adiciona uma camada extra de interesse ao ambiente.

Sala com uma grande janelas com as cortinas aberta, moveis de madeira, com detalhes em tecidos vermelhos. A imagem alterna entre a obra de Eduard Petrovich Hau e render realístico baseado na obra do artista ‘Sala de Estar da Imperatriz Alexandra Feodorovna, Palácio de Chalé, São Petersburgo, Rússia’ de Eduard Petrovich Hau

‘Sala de Estar da Imperatriz Alexandra Feodorovna, Palácio de Chalé, São Petersburgo, Rússia’ de Eduard Petrovich Hau (Reprodução/HomeAdvisor)

Os quadros que Hau pintou eram, eles próprios, quase fotorrealistas em estilo. Se ele tivesse as ferramentas que temos hoje, talvez as renderizações ficassem muito parecidas.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.