Manual do quartzito: saiba as vantagens, preços e como aplicar

Ele alia a resistência do granito à beleza do mármore e se aplica em vários locais da casa. Aprenda sobre essa pedra curinga abundante no Brasil

Por Texto Lara Muniz | Visual Mayra Navarro | Fotos Luis Gomes Atualizado em 9 set 2021, 14h06 - Publicado em 24 fev 2016, 10h00

Para montar a paginação do piso ao lado, a arquiteta capixaba Marilia Celin e seu marmorista (nome dado ao profissional que trabalha no beneficiamento de pedras) passaram um bom tempo debruçados sobre a prancheta estudando o desenho da chapa do quartzito vena verde. “A medida das peças que serão usadas como revestimento é definida com base no tamanho do bloco extraído da pedreira. Para total aproveitamento da matéria-prima, medimos tudo detalhadamente e numeramos os pedaços a serem cortados. A montagem acontece depois, como num quebra-cabeça”, explica a profissional. 

De fato, o assentamento do quartzito não apenas exige como também merece esse esforço. Abundante no solo brasileiro, especialmente no norte de Goiás, na Bahia, em Minas Gerais e no Espírito Santo, essa rocha nobre e versátil só agora se torna conhecida, graças a um recente incremento tecnológico do segmento. “Havia grande dificuldade na industrialização do quartzito. Por causa de sua elevada dureza, a extração era sempre muito difícil, e o beneficiamento terminava caro demais”, revela o engenheiro mecânico Ronaldo Frizzera Matos, diretor de produção e pesquisa do Grupo Corcovado Brasigran. A evolução do maquinário, que permite melhores técnicas de corte, aliado a um bom trabalho de conscientização dos marmoristas, mudou essa equação. Hoje, o quartzito desponta como uma das variedades mais interessantes para a construção civil. 

“Ele agrega as melhores qualidades de outras rochas. Mostra-se mais resistente do que o granito ao mesmo tempo que oferece a beleza do mármore”, observa o arquiteto Junior Torezani, fã do material. Por enquanto, seu preço médio ainda assusta: o padrão intermediário chega a custar, em média, o triplo de um bom granito e mais do que o dobro do mármore. A boa notícia é que nem mesmo o mercado acredita que esse valor se manterá por muito tempo. Com a extração mais simples, a tendência é de que os preços diminuam. Os cuidados práticos com instalação e manutenção já foram detalhados pela Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais (Abirochas), que disponibiliza na internet o Guia de Aplicação de Rochas em Revestimentos, ótima fonte de consulta para arquitetos e instaladores. 

RANKING DE RESISTÊNCIA

Pela Escala de Mohs, a dureza dos minerais revela sua postura em relação à abrasão superficial. O diamante, material de referência, é o único a alcançar dez pontos 

PEQUENO MANUAL DE INSTRUÇÕES

O quartzito é versátil: aparece em pisos, paredes, bancadas e até em móveis e acessórios. No entanto, as informações abaixo fazem a diferença na hora de escolher o seu 

Uma boa pedra deve ser…

…PLANA: Poucas variações na espessura, sem pontos de esfarelamento, sinalizam alta qualidade. Observe as bordas antes do beneficiamento.

…UNIFORME: Recuse manchas indesejadas (indícios de infiltração), fissuras, trincas e trechos com ferrugem, que fragilizam a lâmina.

TEMPO FIRME: O quartzito tolera grandes mudanças de temperatura sem sofrer modificações estruturais ou transmitir calor em excesso.

INFLEXÍVEL: A baixa tenacidade faz do material uma alternativa nada afeita a dobras: tentativas de curvá-lo terminam em quebra.

Cores em profusão

Cartela acena com diversidade de opções

Continua após a publicidade

Assim como o granito e o mármore, esse tipo também oferece variada gama de padrões, que vai dos mais simples (e baratos) aos superexóticos (e caros). Em média, o valor parte de R$ 400 o m² e alcança R$ 1,2 mil o m². Os rosados são os mais abundantes e acessíveis. Na categoria intermediária, figuram brancos, tonalidades de off-white e esverdeados. Por fim, os azuis, roxos e amarelados ocupam o topo da pirâmide e atingem os preços mais elevados.

Proteja e impermeabilize

Beneficiamento prévio pede complementos

Ao receber as chapas na obra, armazene-as longe de sol, água e elementos que possam criar ferrugem. Em seguida, cuide da impermeabilização, fundamental para manter o bom aspecto da pedra. “O processo acontece em várias etapas. Sempre que houver novo corte ou furo para a colocação sobre uma superfície ou a instalação de objetos como torneiras, esse ponto deve ser protegido”, detalha Ronaldo Frizzera Matos, do Grupo Corcovado Brasigran.

Limpeza em dia

Vale a velha receita – bastam água e sabão neutro

Antes da impermeabilização, caneta esferográfica, palha de aço e massa de vidraceiro estão entre os piores inimigos do quartzito. Depois de protegida, no entanto, a pedra é praticamente imune a problemas. Para limpá-la, utilize pouca água e detergente neutro.

A argamassa certa para cada uso

Prefira produtos em tons claros, que evitam sombreamento e manchas atrás das placas. Na hora de rejuntar, priorize as versões acrílica e epóxi, mais estáveis e duradouras

AC-I: A versão básica é indicada para ambientes internos e longe de umidade e intempéries.

AC-II: Pisos e paredes de locais externos ou próximos de umidade pedem reforço maior.

AC-III: Ideal para superfícies que exigem muita aderência, como grandes paredes sujeitas a umidade e calor.

Adesiva: Boa pedida em locais que demandam colagem rápida, a exemplo de bancadas de cozinha e banheiro.

Veja na galeria de fotos abaixo três projetos com quartzito

Continua após a publicidade

Publicidade