4 máximas para o cultivo de temperos perfeitos

Seus temperos morrem rápido? Você pode estar errando no plantio! Confira as dicas de Daniela Sedo para montar os vasos perfeitos para as ervas

Por Redação Atualizado em 12 dez 2016, 15h55 - Publicado em 24 Maio 2016, 19h23

559643_be35da3d1cf343d88036d24645d826a4

Imagine um jantar com este cardápio: macarronada com molho de manjericão, bruschettas com queijo e orégano e um suco de abacaxi com hortelã. E o melhor: imagine se metade desses ingredientes viesse de uma horta cultivada com muito carinho por você mesmo. Que tal investir em uma horta caseira? Conversamos com a arquiteta e paisagista Daniela Sedo e separamos as melhores dicas para começar uma horta de temperos saborosos (e orgânicos!) em casa.

1. Cuidado com o sol e a água

Os dois elementos mais importantes para a sobrevivência de qualquer planta são sol e água — mas, em excesso, eles também podem matar sua plantinha! Na hora de escolher um espaço para a horta, prefira sempre a parede leste, onde bate o sol da manhã. Assim, ela recebe uma iluminação natural mais branda, diferente do que aconteceria do lado oposto da casa, que é iluminado pelo sol a pino. Esse excesso de sol evapora água demais, fazendo a planta morrer de sede. Já a rega deve ser diária, no começo da manhã ou da noite.

2. Use vasos do tamanho certo, com drenagem

Os vasinhos para plantio devem ser furados na base e ter, no mínimo, aproximadamente 20 cm de altura e 15 cm de boca. Essas medidas garantem o crescimento das raízes e a drenagem. Já jardineiras, podem ter pelo menos 70 cm de altura — assim os cachorros médios não conseguem alcançar as plantas!

A drenagem é garantida com a separação do solo e do fundo do vaso. Preencha o recipiente vazio com pedriscos, restos de obra como pedaços de tijolos picados, bolinhas de gude… Mas fuja da argila expandida! É provado que sua produção é prejudicial ao meio ambiente e que, ao longo dos anos, ela solta substâncias que podem ser nocivas para a raiz da planta.

Para segurar o substrato no lugar, lance mão de uma manta de drenagem. Ela deve cobrir todo o substrato, subindo pelas paredes do vaso. Seu efeito é mais ou menos como o do filtro de café, que segura a borra, mas deixa a água em excesso descer. Ela pode ser encontrada em diversas lojas de jardinagem e de construção.

Continua após a publicidade

3. Capriche no substrato

O solo precisa ser macio, fofo e possuir pedaços de serragem ou fibra de coco. A intenção é que esse material absorva a água, soltando-a bem devagar com o passar do tempo.

Essa é uma das diferenças do substrato para a terra comum. Repare que um se mantém uniformemente úmido por mais tempo, enquanto o outro está sempre ensopado ou rachando de seco!

4. Dê tempo para a planta crescer

Para poder usar as folhas dos temperos com frequência, eles precisam ter um tamanho específico. Para um casal, por exemplo, uma muda de 40 cm de cada tempero é o suficiente. Com esse tamanho a muda já é madura, diferente daquelas pequeninas vendidas em supermercados. A planta dá conta de ter folhas retiradas semanalmente e sobreviver.

Algumas plantas tem raízes muito fortes – esse é o caso da hortelã. Agressiva, ela consegue matar companheiras de vaso em sua procura por nutrientes e água. No caso de temperos como esse, o ideal é que sejam plantados no próprio vaso, não em jardineiras.

Para começar sua própria horta sem medo, confira estas outras dicas para o cultivo de 9 temperos maravilhosos.

Continua após a publicidade
Publicidade