São Paulo antigo: como era o plano para o Rio Pinheiros

No processo de desenvolvimento da cidade, o homem fez escolhas que o afastaram dos rios e das várias atividades de lazer que o leito deles é capaz de proporcionar

Por Fotos: Centro Pró-Memória Hans Nobiling/divulgação Atualizado em 20 dez 2016, 22h41 - Publicado em 7 ago 2014, 23h00
01-repensar-a-convivencia

As possibilidades que o Rio Pinheiros oferecia ao cenário urbano foram consideradas desde o primeiro grande projeto que balizou o desenho da capital paulista durante sua expansão: o Plano de Avenidas de São Paulo, projeto de 1930 escrito por Prestes Maia. O documento estipulava a criação de jardins com corredores arborizados, instalações esportivas, circulação rápida, linhas de alta velocidade e navegação em seu leito. No entanto, a administração pública fez as medidas que tratavam da conservação dos recursos naturais, como proteção do solo e da vegetação, ficarem em segundo plano. Não apenas nessa mas em várias outras passagens da história da cidade, prevaleceram os interesses econômicos de um urbanismo rodoviário. Como consequência, o Pinheiros, antes adequado à prática de esportes, tornou-se o destino de esgotos residencial e industrial. E suas margens, cujos solo e topografia já atraíram futebolistas de vários times – popularizando, inclusive, a expressão “futebol de várzea” –, viram-se aterradas para a chegada de fábricas, ferrovias e empreendimentos imobiliários. “Não existe nada mais importante na história da humanidade do que os rios. Conseguimos marcar tempo e espaço por meio das cheias e vazantes e percebemos o território graças a eles. Inúmeras cidades foram fundadas com base em suas águas.” A declaração de Alexandre Delijaicov, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU-USP), leva à reflexão sobre os cursos de nossa capital e nos indica que, até agora, temos remado na direção errada.

02-repensar-a-convivencia
Publicidade