Morre o artista plástico pernambucano Tunga

Pintor e escultor Tunga morreu no Rio de Janeiro, aos 64 anos, vítima de câncer de garganta

Por Texto: Marcel Antonio Atualizado em 20 dez 2016, 22h10 - Publicado em 6 jun 2016, 19h52
tunga

Morreu hoje, aos 64 anos no Rio de Janeiro, o artista plástico Tunga. O pernambucano, natural de Palmares, lutava contra um câncer de garganta e estava internado desde o dia 12 maio. Seu corpo deve ser enterrado entre terça ou quarta-feira, no cemitério São João Batista, no bairro do Botafogo (RJ), onde está o jazido da família. Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão, como foi batizado, vivia no Rio desde 1970. Despontou em meio à ditadura militar com esculturas e performances que exalavam traços vanguardistas e iam do surrealismo ao minimalismo. Sua obra sempre foi questionadora, à frente de seu tempo. Prova disso é a sua primeira exposição individual, a exposição Museu da Masturbação Infantil, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1974. Pentes, caveiras, fios de cobre, ímãs, sereias. O artista, que desbravou objetos e materiais tão diferentes, passou pela vida dizendo que “fazer arte é juntar coisas.” Morre deixando um legado de coisas que o coloca como um dos grandes artistas visuais brasileiros das últimas décadas. 

Publicidade