Casa Created with Sketch.

Cientistas usam melanina para criar obras de arte envoltas em vidro

O pigmento presente na pele foi transformado em líquido e virou obra de arte exposta na Triennale di Milano

 (Reprodução/Casa.com.br)

Você pode não saber, mas você tem uma substância mais valiosa do que o ouro na sua pele, nos seus cabelos e nos seus olhos. A melanina, chamada por alguns cientistas de o pigmento da vida, tem sido considerada mais cara que o ouro. Motivos não faltam: além de fornecer proteção contra raios ultravioleta, a substância está intimamente ligada à ideia de sobrevivência e adaptação da espécie humana na Terra.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Pesquisadores do Mediated Matter Group, vinculados ao MIT (Massachusetts Institute of Technology), vêm conduzindo recentemente uma série de experimentos com a substância – que nos animais pode ser encontrada também em penas de aves ou nas asas das borboletas, por exemplo. “Nosso objetivo é fornecer insights sobre este pigmento comum, ainda que extraordinário, e discutir o seu papel de apoiar a vida na Terra na era da biologia sintética”, explica a equipe.

 (Divulgação/Casa.com.br)

A grande surpresa, para o universo do Design, com relação aos experimentos é que alguns dos totens criados com melanina líquida foram usados na Triennale di Milano – como parte da mostra Broken Nature, que fica em cartaz até setembro deste ano na cidade italiana. “Estas espécies de órbitas exibem uma ampla gama de cores e espectros de absorção, de amarelo a tons mais escuros”, explica a equipe. Assim, as formas da substância chamam a atenção e parecem verdadeiras obras de arte ao dançarem dentro de uma estrutura de vidro.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Mas não pense que foi fácil chegar neste formato para exposição. É possível criar a melanina, em laboratório, de três maneiras diferentes: sinteticamente, através de uma reação entre uma enzima de um cogumelo e o bloco de construção de proteínas L-tirosina; extração, onde o pigmento pode ser tirado de penas de aves, antes de ser purificado e filtrado; e síntese bacteriana onde os genes para a produção de melanina são manipulados em espécies de bactérias, como escherichia coli e, portanto, controlados através de circuitos de genes recombinantes no espaço e no tempo, e em resposta a mudanças no ambiente.

 (Divulgação/Casa.com.br)

“Cada forma de realização estrutural – um totem biológico – é iniciada com a introdução da tirosinase, uma enzima que leva à formação de cor que continua ao longo do dia, aprofundando-se quando o sol atinge o ponto máximo no céu”, descreve o grupo. Uma das vertentes de estudo do Mediated Matter Group também propõe que a melanina seja usada na fabricação de vidros – proposta exibida na Design Indaba 2018, na África do Sul. A ideia é que a melanina, na composição do vidro, possa criar um espaço para espelhar e proteger espécies em risco de extinção. “Desta forma, a demonstração é uma “janela” que fornece proteção, conexão e transformação da luz solar”, finalizam sobre a importância de suas pesquisas. Quem diria que uma das apostas dos cientistas para o futuro do planeta e da biodiversidade pudesse estar dentro dos nossos olhos?

 (Divulgação/Casa.com.br)

 (Divulgação/Casa.com.br)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s