Arquiteto e designer Jorge Zalszupin morre aos 98 anos

Um dos nomes mais importantes do modernismo brasileiro, o arquiteto e designer se despede desse mundo, mas deixa seu legado como referência

Por Kym Souza 17 ago 2020, 14h44

Jorge Zalszupin, designer polonês, naturalizado brasileiro, morre aos 98 anos. A notícia foi confirmada pela filha, Veronica, pelo Instagram.

Influência para muitos, Jorge foi um dos responsáveis por trazer brilho ao design brasileiro. Ele nasceu em Varsóvia, em 1922, mas precisou fugir para a Romênia para terminar os estudos, quando a Polônia foi invadida pelos alemães durante a segunda guerra mundial.

Sua história no Brasil começou no Carnaval de 1949, no cais do Rio de Janeiro. Sem muitos bens, tinha consigo seu diploma, uma revista, uma moto com placa francesa e frascos de perfume para vender, que nunca chegaram a trazer dinheiro. Já a moto serviu para que Zalszupin pudesse conhecer todas as peças que ele viu no impresso que tinha dentro de sua bagagem.

A carreira no Brasil começou junto de Luciano Korngold, em São Paulo, mas, mesmo tendo projetos de sua autoria, não podia assinar por não ser brasileiro. Isso mudou quando teve uma filha em 1960 com sua esposa, Anette, que conheceu em uma livraria francesa onde ia com frequência.

A criação de móveis surgiu porque não havia onde comprar peças modernistas. Jorge, então, passou a desenvolver o projeto arquitetônico e o mobiliário e descobriu um grande talento na área.

Continua após a publicidade

Aparador Componível, por Jorge Zalszupin Divulgação/Casa.com.br

Em 1959, criou a L’Atelier, que, situada no Conjunto Nacional na Avenida Paulista, não demorou a ter pedidos do país inteiro chegando.

Com a crise econômica em 1980, precisou voltar para a arquitetura. Criou uma sociedade com José Gugliota e os prédios e casas assinados pelos seis anos de dupla ainda enfeitam a cidade de São Paulo.

Poltrona Dinamarquesa, por Jorge Zalszupin Divulgação/Casa.com.br

Entre as peças mais conhecidas do designer, estão a poltrona Dinamarquesa, uma das primeiras peças assinadas por ele, e a poltrona Cubo, que já foi destaque em uma ala do Tribunal Superior (TSE). O trabalho de Jorge Zalszupin pode ser encontrado no catálogo da Etel e fará sempre parte da história do design moderno brasileiro. Obrigada por tudo, Zalszupin!

Continua após a publicidade

Publicidade