5 eventos super tecnológicos e sustentáveis do Brasil

Confira cinco exemplos de mostras e festivais que abarcam e promovem estes temas!

Por Yara Guerra Atualizado em 17 fev 2020, 16h06 - Publicado em 27 Maio 2019, 17h59
Divulgação/Casa.com.br

Quer coisa melhor do que curtir o que você gosta sem peso na consciência? Para que isso aconteça, os organizadores de alguns eventos nacionais passaram a investir esforços para torná-los sustentáveis, ao mesmo tempo em que promovem a tecnologia.

Festivais como Rock in Rio e Lollapalooza e mostras como a CASACOR, a Feicon Batimat e Expo Revestir têm se atentado aos temas para realização de suas últimas edições.

Rock in Rio

A partir de sua terceira edição, o Rock in Rio consolidou o projeto Por um Mundo Melhor, que nasceu para motivar as pessoas a buscarem melhorias de vida por meio de mudanças cotidianas. A primeira ação neste sentido se deu com o silêncio mútuo de 98 milhões de pessoas naquela edição – uma união em prol de um mundo melhor.

Mas outros passos determinantes também foram dados: mais de 97 milhões de reais já foram investidos em ações que incluem o plantio de 168 mil árvores, a construção de uma escola na Tanzânia e um centro de saúde no Maranhão, a educação de 3.200 jovens no Ensino Fundamental no Rio de Janeiro, instalação de 760 painéis solares em 38 escolas em Portugal, a instalação em ONG de 14 salas sensoriais para melhorar a qualidade de vida de centenas de jovens portadores de necessidades especiais em Portugal, doação de mais de 2.200 instrumentos para cerca de 150 instituições sem fins lucrativos, a construção de 10 salas de música em escolas públicas e a formação de assistente de luthier a 40 jovens de uma das primeiras comunidades pacificadas do Rio de Janeiro.

Além disso, a organização tem investido em um plano para redução de emissões de CO2 e na compensação auditada das emissões de CO2 do festival até 2016. Em 2013, entretanto, já obteve a certificação na ISO 20121 – Eventos Sustentáveis. Foi o primeiro festival 100R, selo que garante a valorização e reciclagem do lixo produzido, tanto no Brasil como em Portugal, mantendo uma média de reciclagem na ordem dos 70%. Desde 2016, recicla e valoriza 100% dos seus resíduos.

Paralelamente, o Rock in Rio fornece um plano de sustentabilidade às empresas que trabalham no evento para que práticas sustentáveis façam parte de suas rotinas e promovem o plantio de mais de três milhões de árvores na Amazônia, através de uma plataforma colaborativa.


Lollapalooza Brasil

O Lollapalooza é tão diverso que faz caber muito mais que música em um só festival. Neste sentido, a sustentabilidade vem ganhando um protagonismo louvável.

Pela quarta edição consecutiva, o Lollapalooza Brasil foi um evento neutro em carbono. Através de um projeto ambiental localizado em Santo André e certificado pela ONU, a redução de carbono foi obtida com a substituição do óleo combustível. Além disso, nesta última edição foi realizado o Rock & Recycle, onde o público realizou a troca de sacos cheios de lixo reciclável por brindes.

Paralelamente, filmes sobre sustentabilidade em realidade virtual foram exibidos, fazendo com que o público formasse fila para assisti-los no intervalo dos shows. Confira na galeria outras iniciativas da última edição do festival:


CASACOR

A sustentabilidade e a tecnologia foram acolhidas pela CASACOR já na escolha do tema da edição: Planeta Casa. O mote é pautado por três conceitos, que desafiam os participantes a incluí-los em suas obras: tecnologia, sustentabilidade e afetividade.

A CASACOR São Paulo e todas as suas franquias têm se atentado, nos últimos cinco anos, para a redução de resíduos e do consumo de água, o reaproveitamento de materiais e a eficiência energética. Além disso, o evento apresenta ao público métodos sustentáveis de inovar em projetos paisagísticos, de construção e decoração.

CASACOR Santa Catarina Florianópolis 2018: Viva Jardim por Cláudio Saladini e Letícia Vieira. Com o intuito de aproximar a natureza para os ambientes urbanos, foi projetado um jardim natural, com destaque para o lago ornamental constituído por peixes, plantas aquáticas e vegetações tropicais, com seus contrastes de cores e formas. A água do lago é reutilizada num sistema inteligente, controlado pelo celular. Lio Simas/Casa.com.br

Durante o período de montagem e desmontagem, a equipe da CASACOR instrui os profissionais acerca de temas como organização, limpeza, gestão de resíduos, bom uso da água e energia, preservação do patrimônio histórico e arbóreo, segurança do trabalho, prevenção de incômodos e poluição. 

Como resultado, em 2018, a mostra valorizou certa de 2,4 mil toneladas dos mais diversos materiais. Com suas políticas de sustentabilidade e a implementação de sua Central de Valorização de Resíduos, 99,3% dos materiais totais utilizados foram desviados de aterros e tiveram destinação adequada. Tudo aquilo que era orgânico foi separado e destinado para a área de compostagem, na qual, até a desmontagem da mostra, foram produzidas e distribuídas 9 toneladas de adubo.

Para 2019, há uma meta de redução de 20% do volume total de resíduos gerados em todas as fases da CASACOR São Paulo. “Estamos falando de mais de 450 toneladas dos mais diversos resíduos, pois melhor que reciclar é não gerar,” explicou o arquiteto da mostra Darlan Firmato.

Continua após a publicidade

 

Divulgação/Casa.com.br

Feicon Batimat

A mostra de construção civil Feicon Batimat também não fica de fora quando o assunto é tecnologia e sustentabilidade. Em sua 25ª edição, o evento apresentou atrações inovadoras, como a Casa 24h, em parceria com a Inovatech Engenharia.

Trata-se de uma casa industrializada que foi construída durante a feira, em apenas 24 horas, a fim de demonstrar a viabilidade de uma solução de alta produtividade para resolver o déficit habitacional do Brasil.

Casa 24h da Feicon Batimat Reprodução/Casa.com.br

Outro ponto destacável do evento é a Rota da Sustentabilidade. Os expositores da Feicon Batimat estavam reunidos em uma rota que levava informação, novidades, inovação e oportunidades de relacionamento aos visitantes. Eles apresentaram produtos e soluções sustentáveis em três eixos: fabricação, obra e produto aplicado (tendo, todos, já passado por uma análise de sustentabilidade realizada pela Inovatech Engenharia e Fundação Vanzolini).

Reprodução/Casa.com.br

Confira outros destaques da feira aqui.


Expo Revestir

Por último, mas não menos importante, a Expo Revestir também é exemplo para tecnologia e sustentabilidade. As últimas edições da feira de arquitetura e construção focalizaram no respeito à natureza, mostrando o que as empresas fazem para praticar a sustentabilidade.

Algumas medidas são a reutilização de vidros de lâmpadas fluorescentes, telas de TVs, monitores de computadores e resíduos da produção de louças na fabricação de pisos e revestimentos, além de processos que evitam o desperdício de materiais. 

No ano passado, por exemplo, foram expostas coleções criadas com um menor impacto ambiental. Esse processo se deu através do uso de refugos da fábrica e materiais recicláveis, que figuram como soluções para evitar o desperdício, trazem personalidade para a casa e, de quebra, impactam menos no ambiente.

Materiais sustentáveis na Expo Revestir 2018. Reprodução/Casa.com.br

No ano anterior, a Oca Brasil trouxe expôs réguas ripadas de madeira para instalação do piso ao teto. Buscando unir o conforto da madeira ao artesanato brasileiro, o grupo compôs mosaicos e revestimentos ecológicos feitos de madeira certificada, de acordo com os critérios internacionais do FSC (Forest Stewadship Council).

Réguas ripadas da Oca Brasil na Expo Revestir 2017. Reprodução/Casa.com.br

Nesta edição, o evento contou com coleções que tiveram como ponto de partida o compromisso com a preservação da natureza. Confira abaixo alguns trabalhos que internalizaram esse compromisso:

Reprodução/Casa.com.br
Reprodução/Casa.com.br
Reprodução/Casa.com.br
Continua após a publicidade

Publicidade