Com perfume de boas vindas

Você acorda, abre as cortinas e o sol ilumina um lindo arranjo de flores no seu criado-mudo ou na mesa da sala. Eis a receita para uma bela manhã

Por Da redação Atualizado em 20 dez 2016, 18h24 - Publicado em 3 dez 2006, 22h46
Um título para uma foto sem titulo

Uma questão de resistênciaAs cerâmicas listradas de tonalidade rosadas pedem por perto espécies com cores semelhantes. Flores-de-alho decorando o cilindro de vidro resolvem a questão. Por exalar cheiro forte, como diz o próprio nome, são indicadas para ficar na cozinha ou em ambientes bem arejados. O ponto forte é a durabilidade, que pode chegar a 20 dias. Se você tem um vaso semelhante ao listrado vermelho, aposte em uma alpínea da mesma tonalidade. Renânteras formam um belo par com o modelo colorido.

Um título para uma foto sem titulo

Formato de coração

Está com preguiça de criar arranjos elaborados para deixar a casa mais bonita em dia de festa? Sem muito trabalho, você consegue tal proeza com um vaso preenchido de antúrios rosa. Quando bem cuidada, a espécie pode durar até 20 dias. Job de Proença, da Flor em Vaso, usou um suporte de vidro serigrafado, com cores semelhantes aos botões. Os antúrios têm uma forma definida e forte, dispensando outras flores para fazer combinações. Foto: Cacá Bratke.

Um título para uma foto sem titulo

Beleza clássica

Quer combinação mais acertada do que incorporar na decoração flores clássicas para coroar um encontro especial? As cúrcumas, que florescem no final do inverno e início da primavera, emanam uma aura clássica. O suporte de porcelana deve ser preenchido com quatro dedos de água. Um modelo de vidro transparente também cairia bem, deixando à vista os belos caules da flor. Rosas brancas são uma opção para substituir essa espécie. Ambiente projetado pelos arquitetos Marco Aurélio Viterbo e Karina Cukier. Foto: Eduardo Pozella.

Um título para uma foto sem titulo

Para abrir um sorriso

A falta de um vaso não é desculpa para a ausência de flores em casa. Esta singela jarra de porcelana acomoda com bossa três camélias brancas, que nascem entre junho e agosto. E não é que o conjunto parece desejar um dia alegre para os moradores! Margaridas, cravos ou rosas também ficam um encanto numa disposição assim, suave e arrebatadora. Foto: André Fortes.

Um título para uma foto sem titulo

Um certo ar oriental

Móveis de linhas retas, cores sóbrias nos acessórios e poucos objetos dão origem ao estilo minimalista deste apartamento. O nicho próximo à janela recebe a coleção de vasos de vidro com formas e tamanhos diversos. Ali, arranjos de flores não durariam muito por causa do sol, mas em ocasiões especiais os moradores abrem exceção. As orquídeas chuvas-de-ouro entram em cena, exaltando a área. Na mesa de centro, o amarelo também marca presença no buquê de callas, que pede água gelada diariamente. Proposta de Job de Proença, da Flor em Vaso. Foto: Luis Gomes.

Um título para uma foto sem titulo

Naturalmente feliz

Uma energia alegre parece brotar do vaso de vidro. Não à toa as rosas nunca perderam a realeza no reino das flores para deleitar a alma e os olhos. Durante o ano inteiro elas aparecem para deixar a casa cheia de vida. Aqui, as cores vibrantes combinam perfeitamente com a hora do brunch e do almoço. Para surpreender os convidados, deixe que levem os arranjos como lembrança de um momento festivo. Foto: Luis Gomes.

Um título para uma foto sem titulo

Gesto afetivo

As pétalas cor-de-rosa e delicadas das ervilhas-de-cheiro são perfeitas para alimentar uma atmosfera romântica. Neste vaso de vidro elas ficam bem sozinhas e resistem por cerca de três dias, com água boa e fresca até a metade do suporte. Se preferir, escolha flores clássicas, a exemplo do lírio rosa ou do lírio branco, para conquistar uma mistura bem-sucedida. Foto: Luis Gomes.

Um título para uma foto sem titulo

Explosão tropical

Espécies clássicas, a exemplo de rosas, cravos e lírios, foram unidas em ramalhetes pelas mãos de Maria Lúcia Almeida Prado e Anna Flora Sodré em um suporte de vidro com boca larga. Como os caules ficam aparentes, é importante limpá-los antes de começar o agrupamento. Folhas de curcúligo dobradas arrematam a combinação. Foto: Cacá Bratke.

Continua após a publicidade

Um título para uma foto sem titulo

Vermelho e ousado

Três orquídeas abraçadas com primor num mesmo vaso é de cair o queixo. A florista Monica Rezende combinou a renantera, a odontoglosso e a sapatinho. As orquídeas sapatinho foram colocadas em tubos de ensaio de plástico. Os caules das outras se fixaram em espuma floral e foram escondidos por folhas de asplênio. O arranjo dura 15 dias se a espuma ficar molhada e os tubos cheios de água. Foto: Cacá Bratke.

Um título para uma foto sem titulo

Buquê exótico

Caules bonitos merecem ficar à vista de todos. É o caso do ornitógalo, que floresce no inverno. No buquê produzido por Viviane Gonçalves e Claudia Ribeiro, a forma estruturada do arranjo é fruto de hastes trançadas presas com ráfia. A dupla separou os caules em três gomos e os entrelaçou. O maço de junco sustenta a composição dentro do vaso. Foto: Cacá Bratke.

Um título para uma foto sem titulo

A elegância da simplicidade

Quem disse que vasos pequenos não podem receber flores longas? Para brincar com a proporção, Tissi Valente apostou nos elegantes e longilíneos copos-de-leite brancos. A florista cortou alguns caules na mesma altura do suporte (25 cm) e os dispôs ao redor da peça. Se preferir um visual com um pouquinho mais de cor, vale mesclar com chuva-de-ouro. Como este arranjo dura apenas dois ou três dias, deixe para fazê-lo em uma ocasião especial. Foto: Eduardo Camara.

Um título para uma foto sem titulo

Mistura inusitada

Temas alegres celebrados com matizes fortes caracterizam as pinturas do francês Raoul Dufy (1877- 1953), um dos precursores do movimento fauvista. Inspirado em Trente Ans ou La Vie em Rose (1931), Vic Meirelles mesclou rosas vermelhas colombianas, lisiantos roxos e cor-de-rosa, delfiniuns azuis e herengeos. Foto: Carlos Bessa.

Um título para uma foto sem titulo

Pura poesia

A cor escreve, de forma sublime, as composições assinadas pelo francês Henri Matisse (1869-1954), como na obra Anemones, de 1924. Vic Meirelles substituiu com maestria as anêmonas, que florescem a partir de junho, por gérberas brancas e vermelhas com miolos pretos (conhecidas como orca e lamborguine, respectivamente), lisiantos roxos e angélicas. Foto: Carlos Bessa.

Um título para uma foto sem titulo

Quando a noite cai

Um sentimento onírico parece transbordar da tela Bouquet of Flowers (1937), do russo Marc Chagall (1887-1985). Da arte para o mundo real, a natureza-morta ganhou vida com a inusitada mistura de rosas amorosas, folhas de ruscus, folhas de euonimus, crisântemos amarelos, cravos vermelhos e euphorbias. O suave perfume emana da espécie de rosa. Foto: Carlos Bessa.

Um título para uma foto sem titulo

Lembrança de antigamente

Luz dramática, cores densas e pinceladas vigorosas explodem em Vase of Lilacs, Daisies and Anemones, pintada no verão parisiense de 1887 pelo holandês Vincent van Gogh (1853-1890). Na releitura, Vic Meirelles usou um vaso vintage e bolou a composição com lisiantos roxos, delfiniuns azuis, folhagens de delfinium, crisântemos amarelos e euonimus. Foto: Carlos Bessa.

Um título para uma foto sem titulo

Explosão solar

O francês Paul Gauguin (1848-1903) produziu em sua temporada no Taiti o óleo sobr e tela A Vase of Flowers (1896). O artista pós-impressionista eleva a cor ao sublime e as formas revelam uma atmosfera exótica e tropical. O impacto do arranjo é resultado da reunião de lírios vermelhos, lisiantos roxos, alstroemérias, folhas de ruscus e folhas de photinia. Foto: Carlos Bessa.

Continua após a publicidade

Publicidade