Casa Created with Sketch.

13 trends que são meio bregas, mas que amamos mesmo assim!

Não é porque novas tendências surgem o tempo inteiro que devemos deixar de lado o que realmente gostamos

 (Jasmine Park/the spruce)

Em um mundo repleto de Instagrams e influenciadores, é fácil cair em uma espiral de tendências. Mas, embora as marés de estilo tragam novas trends o mais rápido possível, isso não significa que você tenha que abandonar todas as coisas que ama!

Na verdade, que tal abraçá-las?

Reunimos aqui a opinião de alguns designers de interiores e especialistas em decoração para descobrir de quais tendências eles se recusam a abandonar, não importa o que os modismos estejam dizendo.

Quer você o chame de brega ou cringe, aqui estão as tendências desprezadas que nós amamos de qualquer forma:

1. Tapetes peludinhos

 

 (Jeanne Canto/the spruce)

Perfeitas para o outono, estas peças se tornaram um item sazonal. “Nosso guilty pleasure no design é o tapete de pele”, dizem Erin McCarthy e Mindy Turitz, do Merinda Studio.

“Eles tornam qualquer espaço super aconchegante e texturizado. Você pode encontrá-los em praticamente todos os lugares em cores incríveis, falsos, reais, grandes ou pequenos. Eles são ótimo para pisos frios de madeira no inverno e podem ser jogados sobre uma cadeira antiga. Nós os consideramos um guilty pleasure porque são tão prolíficos… Você pode até encontrar miniaturas para uma casa de bonecas”, dizem.

2. Placas de neon

 

 (Alvin Wayne/the spruce)

A designer de interiores britânica Portia Robbins admite que seu toque brega favorito é o letreiro rosa neon que está pendurado em sua sala de jantar. Com design personalizado com a frase “você não pode sentar-se conosco”, é a pitada perfeita de diversão em uma sala destinada a reuniões sociais e festas.

Também se encaixa em sua estética geral. “É uma citação do filme Meninas Malvadas, e acho divertido, mesmo que um pouco extravagante para alguns”, diz Robbins. “Eu sou uma geek do cinema e tenho vários pequenos acenos para alguns dos meus filmes favoritos em minha casa”.

3. Gallery walls

 

 (Old Brand New/the spruce)

Embora as “gallery walls” não sejam novidade no mundo do design, elas parecem entrar e sair de moda com bastante rapidez. Robbins admite que por um tempo, ela realmente não gostou deles, mas que voltou ao normal.

“Muitas vezes me apaixonei pela gallery wall!”, Robbins diz, antes de adicionar algumas ressalvas. “É uma daquelas coisas que não pode ser forçada e deve ser executada com pensamento e personalidade. Quando alguém tenta criar uma gallery wall eclética, é possível dizer se ele simplesmente comprou todas as fotos de uma vez, em vez de reuni-los e curá-los ao longo do tempo.

4. Estampa de animal

 

 (Brexton Cole Interiors/the spruce)

Steph Briggs, celebridade designer de interiores e cofundadora da La Di Da Interiors, admite que tem uma queda por estampas de animais – e mais especificamente, estampas de leopardo.

“Eu adoro!”, diz. “Estou quase obsessiva por capas de almofadas, castiçais, bases para copos, canecas, mantas e tapetes”. Mas, embora a estampa de leopardo possa estar na moda, também é tão diversa que é difícil ficar obsoleta.

“A estampa de leopardo vem em uma variedade de cores e tecidos, o que ajuda a mantê-la atual”, diz Briggs. “Existe um tecido ou acessório com estampa de leopardo que combina com praticamente qualquer esquema de cores. É um padrão para todo o ano que pode aumentar ou diminuir dependendo da peça”, completa.

5. Brilhos

 

 (Ashley Montgomery Design/the spruce)

Amy Donato, gerente sênior de marketing da Glidden, diz que é uma fã permanente e orgulhosa de todas as coisas brilhantes. “Eu sempre amarei o brilho. Se brilhar, vou comprar”, diz Donato.

“Sei que esse visual pode sair ‘barato’, mas há uma maneira de fazer isso de bom gosto. Você pode adicionar um pouco de brilho ao seu espaço adquirindo uma almofada com um pequeno detalhe ao redor da borda, um prato decorativo com um revestimento brilhante ou uma pequena mesa com pernas revestidas de metal. Pequenos elementos nas peças irão capturar a luz e adicionar um pouco mais de interesse especial às suas peças. Um pouco de brilho pode ajudar muito!”, explica.

6. Verde

 

 (Jeanne Canto/the spruce)

Esta é uma tendência relativamente nova, mas é uma que todos devemos abraçar, porque, como diz Donato, “os verdes estão absolutamente por toda parte agora”. O tom já assumiu o controle de nossas cozinhas e, entre PPG, Glidden e Sherwin-Williams, parece que todas as principais marcas de tinta escolheram um tom de verde para ser sua cor do ano para 2022.

Veja também

Então, o verde é o novo Millennial Pink? Pode ser, segundo Donato. “Nunca gostei muito de verdes, mas agora os amo. Os verdes permitem que você sinta os benefícios da natureza, como estar equilibrado e rejuvenescido, então incorporá-los em sua casa faz muito sentido e explica por que desejamos essa família de cores agora”.

7. Rattan

 

 (@afrobohemianliving/Instagram)

Essa é uma daquelas tendências que parecem incríveis no Instagram, mas pode ser difícil de fazer em casa. Donato acha que o apelo do rattan está em como você o estiliza.

“Quando vejo uma peça de rattan sozinha, parece-me apenas uma mobília de jardim”, diz Donato. “Mas quando o vejo incorporado a um tapete bacana, ao lado de um sofá estofado e rodeado de plantas, adoro as vibes serenas e relaxantes“.

8. Chintz

 

 (Mackenzie Merrill Photography/the spruce)

Anna Ambrosi, designer de interiores da Into the Garden Room, conta que o chintz é um ótimo exemplo de uma tendência que continua morrendo e prosperando em uma velocidade vertiginosa. “Era tão antiquado há alguns meses e agora está em alta”, diz ela.

“Acho que o chintz é uma daquelas estampas reconfortantes às quais às vezes você precisa voltar”, diz Ambrosi. “É tudo uma questão de suavidade e natureza, e essas são duas coisas que às vezes faltam neste mundo agitado”.

9. Mistura de metais

 

 (Blue Copper Design/the spruce)

Ambrosi também tem uma suavidade para misturar metais – uma tendência que, segundo ela, não existia desde os anos 1960.

“Por muito tempo, houve uma forte preferência por um visual totalmente prata ou ouro. É sem dúvida mais fácil acertar com uma diretriz forte e pode ser a melhor maneira de dar uma aparência coesa a um esquema”, diz Ambrosi.

“É exatamente por isso que misturar metais é tão interessante. É arriscado! Pessoalmente, acho que não há, ou não deveria haver, diretrizes aqui. Deve ser uma mistura de espírito livre do seu gosto pessoal, pois é isso que o tornará único”.

10. Xadrez

 

 (Mackenzie Merrill Photography/the spruce)

Ginger Curtis, da Urbanology Designs, admite um novo interesse pelo xadrez. “Eu costumava odiar muito isso, mas um dia meio que cresceu em mim”, diz ela. “Agora adoro usá-lo em lugares inesperados. Atualmente, tenho um cobertor xadrez estendido sobre a cama do meu filho.”.

11. Quarto de bebê de grife

 

 (@burcharddesignco/Instagram)

A designer de interiores de Charleston, Laura Boyd, sabe que berçários podem não ser práticos, mas é uma tendência que ela adora. “Devo dizer que nunca vou superar o quanto alguns clientes estão dispostos a gastar em berçários de grifequartos superpersonalizados que as crianças inevitavelmente superarão”, diz Boyd.

“De sanefas ornamentadas em tecidos exagerados a berços de grife, um berçário totalmente personalizado pode parecer tão frívolo, mas tão delicioso, tudo ao mesmo tempo”, diz ela. “Quem não ama um lindo quarto de bebê completamente arrumado?”.

12. Papel de parede declarativo

 

 (Old Brand New/the spruce)

Optar por um papel de parede mais declarativo pode parecer ousado, mas esta é outra tendência da qual Boyd está totalmente atrás: “ousados, papéis de parede assim sempre serão os itens que transformam um cômodo”.

Curtis concorda: “eu amo papéis de parede peculiares, algo que você pode ver na casa da vovó, mas uma versão mais moderna. Eu poderia facilmente me deixar levar aqui”.

13. Minimalismo

 

 (Laura Brophy Interiors/the spruce)

A designer de interiores Olga Hanono nos diz que, embora não seja minimalista, ela aprecia totalmente a tendência: “nos últimos tempos, aprendi a desfrutar e abraçar espaços pacíficos, como um jardim zen ou um saguão de hotel ultra moderno e japonês. Quanto mais silencioso o espaço, mais silenciosa fica a mente, e às vezes eu realmente gosto de meditação e calma”.

Embora ela pessoalmente não esteja pronta para mergulhar no minimalismo completo, ela confia nos princípios básicos para compensar suas peças mais modernas.

“Tenha uma paleta de materiais neutros, independentemente das tendências da moda, momentos históricos ou estilo de design”, diz ela. “[Em seguida], vá à loucura com peças de arte, almofadas, tapetes e acessórios. Essas peças adicionam personalidade a um cômodo, e podemos mudá-las constantemente em nossa casa para um local diferente e ter um efeito dramático”.

Se você se deparar com uma casa cheia de peças de tendência que os designers estão comentando, não entre em pânico.

“Você pode totalmente reformular seu espaço para torná-lo novo e atualizado”, diz Robbins – e isso porque, felizmente, as tendências estão em constante evolução.

“Os interiores escandinavos podem evoluir para uma direção mais japandi com a adição de alguns elementos pretos elegantes e alguns detalhes mais polidos”, diz ela.

“Já os interiores maximalistas podem ser reduzidos a um estilo milenarista, que mantém a vibe movimentada, mas é um pouco mais coordenado. Aqueles que optaram por um interior descontraído e eclético podem refrescar seu espaço em uma direção mais casual da Califórnia, livrando-se das estampas e aumentando os neutros”.

A verdadeira lição aqui é perceber que não importa o que está na moda, não deixe as tendências afastarem você de sua autenticidade.

“Compre apenas peças que realmente falam sobre sua personalidade e estilo de vida”, diz Robbins. “Quando você se mantém autêntico em relação aos seus gostos e desgostos genuínos, sempre será capaz de atualizar e refazer o que tem ao longo do tempo, independentemente das tendências.”

*Via The Spruce

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.