Tecnologias facilitam o morar e preservam o meio ambiente

Robô aspira pó e limpa janela, máquina transforma ar em água, sistema usa chuva em casa. Veja lançamentos da Expo Arquitetura Sustentável

Por Da redação Atualizado em 20 dez 2016, 21h22 - Publicado em 28 ago 2014, 18h48

Quem passou pelos corredores da Expo Center Norte, em São Paulo, entre os dias 26 e 28 de agosto para visitar a Expo Arquitetura Sustentável se deparou com produtos de iluminação, jardinagem e hidráulica que, segundo vendedores e selos nacionais e internacionais, preservam o meio ambiente. Nada parece ter chamado tanto a atenção do público paulistano (alerto com a escassez de água) quanto a Aozow, tecnologia chinesa que transforma a umidade do ar em água potável. Quando ligada à eletricidade e em uma região com umidade do ar de 40%, a máquina tem potencial para produzir 12L de água em 24h e, em uma área com 90% de umidade, até 34L no mesmo período. Filtros tiram as impurezas do líquido, tornando-o potável. Marco Franco, o diretor da Ecomart, empresa que comercializa a tecnologia no país, afirma que ela é uma alternativa para a escassez hídrica. Para adquirir a Aozow, é preciso desembolsar R$ 4.900,00.

01-lancamentos-da-expo-arquitetura-sustentavel

Outros dois lançamentos da Ecomart também chamaram a atenção do público, o Winbot e o Deebot. Os dois são robôs que limpam a casa e até lembram a empregada doméstica Rose,  robô do seriado animado “Os Jetsons”. O Winbot, vendido por R$ 2.199,00, limpa vidros e espelhos e é uma solução segura para a limpeza de áreas externas de prédios.

02-lancamentos-da-expo-arquitetura-sustentavel

Já o Deebot, de R$ 1.699,00, é indicado para aspirar o pó de tapetes e carpetes. No vídeo abaixo, você confere como ele funciona.

A empresa Hidrologia, de Belo Horizonte, desembarcou em São Paulo com o Chove Chuva, um sistema que trata a água de chuva, tornando-a própria para várias atividades domésticas (como lavagem de quintal, rega de plantas etc.). Como a água tratada pelo sistema não possui todos os sais minerais, ela é imprópria para o consumo. Funciona assim: ao telhado, deve ser acoplado o sistema chove chuva, composto por calhas e filtros. As calhas irão captar a água e, primeiramente, um tubo cilíndrico irá separar a água de resíduos, folhas e materiais maiores; então, irá passar por pedras calcárias, um clorador e filtros para a retenção de partículas menores. Segundo a empresa, um telhado de 100m2 poderia armazenar, em uma chuva intensa, até 15mil L de água.

03-lancamentos-da-expo-arquitetura-sustentavel
Continua após a publicidade

Publicidade