Um marco na paisagem

Numa propriedade árida do Algarve, esta casa branca e enigmática muda o cenário e instaura a arquitetura do português Ricardo Bak Gordon.

Por Por Joana L. Baracuhy Fotos: Leonardo Finotti Ilustrações: Fabio Flaks Atualizado em 14 dez 2016, 13h05 - Publicado em 14 ago 2008, 12h22

À primeira vista a construção branca, de parede cega e esquadrias discretas, parece se furtar ao diálogo com a paisagem. Um exame mais detalhado atenua essa sensação: talvez ela seja apenas um pouco introspectiva. Verdade. Há terraços em todas as fachadas para onde se abrem as portas e janelas. São espaços de permeio entre interior e exterior, diz o português Ricardo Bak Gordon, autor do projeto um dos nomes mais destacados da arquitetura contemporânea do país. A decisão pelas aberturas parcimoniosas e estratégicas surgiu como resposta ao clima local e à condição do terreno: plano, rochoso, pontuado por oliveiras, sem grandes atrativos que não a massa de cactos definindo seus próprios limites.

Outra casa em Portugal, em Mafra, a oeste de Lisboa, teve a fachada restaurada para seguir as tradições locais. Mas seu interior foi posto abaixo e adotou uma concepção minimalista que propiciou a divisão da área em duas pequenas moradias.

Publicidade