Casa Created with Sketch.

Refúgio no campo tem tudo: cimento queimado, tijolos aparente e ladrilhos

Compartilhar as memórias de infância com a esposa e os arquitetos foi o caminho acertado para um empresário construir seu refúgio no campo exatamente como sonhava

Há tempos, a fazenda pertencente aos avós deixou as mãos da família. Mas as recordações felizes e o desejo de revivê-las permaneceram tão fortes que se tornaram o alicerce deste projeto, erguido no terreno de 3,5 mil m² dentro de um condomínio. Distante 50 minutos de São Paulo, onde mora o casal com três filhos pequenos, o lugar cumpre sua vocação: ser o destino de descanso em quase todos os fins de semana. “Nós queríamos uma morada com jeito bem rural, só que mais clean para não enjoar. E precisava ser grande para receber bastante gente. Em nossas pesquisas, descobrimos o trabalho do Renato”, diz a moça, referindo-se ao arquiteto Renato Marques (1951-2011).

No primeiro telefonema, a simplicidade do profissional encantou os então futuros clientes. A empatia inicial foi sucedida por uma parceria afinada da família com Renato e seu sócio, Daniel Fromer. O time ainda incluiu o designer de interiores Fernando Piva, amigo de infância do proprietário. Tamanha sinergia acelerou a aprovação dos planos, segundo Daniel. “O programa era muito extenso, mas as ideias dos donos estavam bem amarradas. Então, só precisávamos encontrar uma maneira de adequar a construção ao lote e fragmentá-la para não ficar com cara de palácio”, diz. Daí a planta de 897 m² dividida em três alas – uma destinada à família; outra aos hóspedes; e, no meio, o retângulo das áreas de serviço e social, com varanda conjugada à piscina.

Os principais materiais seguem a cartilha de reaproveitamento da dupla de arquitetos. É o caso dos tijolos de demolição, que formam divisórias duplas, e também dos telhões de barro e dos elementos de peroba. Até as pedras usadas no embasamento e em algumas paredes carregam essa marca, já que saíram do próprio terreno. O charme trazido pela estrutura angariou reforço nos revestimentos, deixados a critério do designer de interiores e da cliente. “Escolhemos o verde-escuro como base para os ladrilhos, e esse tom articulou a decoração inteira”, conta Fernando.

 

Três alas organizam os ambientes

As suítes da família formam um bloco conectado às áreas social e de serviço. Já o núcleo de hóspedes ganhou um pavimento inferior, aproveitando o declive do terreno. Pela mesma razão, a casa do caseiro ocupa o trecho sob a piscina.

planta-refugio-no-campo-tem-tudo-cimento-queimado-tijolos-aparente-e-ladrilhos

 (/)

 

Área: 897 m²; Construção: Construtora Schery; Materiais de demolição e esquadrias: Zé Demolições: Projeto de Iluminação: Reka; Paisagismo: KM Arquitetura Paisagística.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s