Casa Created with Sketch.

Esta parede artificial filtra tantos poluentes quanto 275 árvores

Estrutura móvel repleta de musgos, a CityTree literalmente se alimenta de poluição para filtrar o ar das cidades

Com os avanços da tecnologia, cada vez mais empresas procuram maneiras de se tornarem ecológicas e sustentáveis. É o caso do grupo alemão Green City Solutions, que desenvolveu uma parede artificial de musgo que beneficia o meio ambiente ao filtrar a mesma quantidade de ar do que 275 árvores naturais.

 (Green City Solutions/Reprodução)

 

Trata-se da City Tree (árvore da cidade), uma estrutura móvel de 3,5 metros quadrados que funciona como um filtro de ar natural. De acordo com o site da empresa, “a função da City Tree é baseada em biotecnologia, usada para cultivar musgos especiais, que têm a habilidade de atrair poluição do ar dos seus arredores e converter na sua própria biomassa. Ou seja, o musgo literalmente come poluição do ar”.

Retangular e plana, a “árvore” consiste basicamente em um grande painel vertical de musgos que absorver dióxido de nitrogênio e partículas microscópicas poluentes presentes no ar. Cada City Tree pode absorver 250 gramas de partículas por dia e armazena 240 toneladas métricas de CO2 por ano. Sua instalação leva cerca de 7 horas e sua manutenção é bastante simples, já que a estrutura possui sensores embutidos que controlam a temperatura do ar, a qualidade da água e a umidade do solo.

 (Green City Solutions/Reprodução)

O único porém do projeto é seu custo. Plantar e manter uma árvore tradicional por uma década custa cerca de R$ 3 mil, enquanto uma City Tree custa cerca de R$ 90 mil. Ao mesmo tempo, se comparada com 275 árvores normais, ela é 95% mais efetiva em termos de custos e precisa de 99% menos espaço e terra.

A estrutura já está presente em 25 cidades, com instalações permanentes em Oslo (na Noruega), Paris (França), Dresden, Klingenthal (as duas na Alemanha) e Hong Kong.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.