Reforma tornou casa naturalmente iluminada

Antes sombria e árida, a residência marcada por jogo de níveis se abriu ao jardim e deixou a claridade inundar os ambientes

Por Por Renato Bianchi (texto) | Projeto Casa 14 Arquitetura Atualizado em 9 set 2021, 13h55 - Publicado em 25 nov 2016, 20h28

Por que viver num lugar com pouca luz e raras inserções de verde? Essa foi a pergunta que orientou a reforma do sobrado paulistano dos anos 70, em estado praticamente original e bastante deteriorado após mais de 40 anos. O desafio era complexo, pois os pavimentos eram muito compartimentados, o que prejudicava a entrada de claridade e impedia a dinâmica e a circulação desejadas pelos moradores no seu dia a dia. Além disso, o jovem casal de proprietários queria desfrutar em casa de um contato estreito com a natureza. “O ponto de partida, então, foi pensar numa área social envolvida por vegetação de vários lados”, descreve a arquiteta Mariana Andersen, do escritório Casa 14, autora do projeto. “E isso exigia conectar os ambientes e ampliar as aberturas para o exterior.”

Para dar conta da missão era preciso superar alguns obstáculos. Havia paredes subdividindo os espaços, e uma edícula de dois andares e 100 m² ocupava grande parte do quintal dos fundos. No living, a situação se apresentava ainda mais complicada, em função de um desnível de dois degraus, bem no prolongamento da escada de acesso.

Visando uma reorganização, a arquiteta propôs eliminar o anexo e remover as divisórias, passando depois ao nivelamento do piso da área social. “Isso permitiu integrar os cômodos e ampliar os jardins – um deles fica efetivamente dentro da casa –, de forma a acentuar a visão entre os patamares”, diz Mariana. 

Assim, a varanda se tornou o principal ambiente de convívio, responsável ainda pela transição entre sala, cozinha e quintal, “não havendo hierarquia ou distinção clara entre interior e exterior”, ressalta a arquiteta. Também foi instalada uma grande esquadria de vidro no estar, na extensão da porta de correr, para aumentar a percepção do recuo lateral e a iluminação. Do outro lado, remodelar o janelão possibilitou que o jardim interno fosse estendido e repaginado. 

O principal mérito do novo arranjo foi articular ambientes que se comunicam de modo a oferecer uma grande área de encontro envolvida por uma cortina de luz solar e plantas. E mais: proporcionar, de qualquer cômodo da face oeste, uma posição privilegiada para apreciar o pôr do sol.

Continua após a publicidade

Publicidade