Geometria e cores fortes desenham apê assinado por Rodrigo Ohtake

Soluções surpreendentes – e não menos funcionais – atualizaram a planta um tanto convencional deste apartamento antigo em São Paulo, de 85 m²

Por Silvia Gomez Atualizado em 9 set 2021, 11h53 - Publicado em 1 fev 2018, 13h18

Fato comum em plantas mais antigas como esta – o prédio, em São Paulo, foi erguido na década de 80 –, a excessiva compartimentação não cabia mais no dia a dia do proprietário, o jornalista e fotógrafo Sergio Poroger. “A área social era pequena e desproporcional. Queria criar algo totalmente novo e tirar melhor proveito das portas-balcão do edifício, evocando a sensação de estar numa casa, recebendo os amigos”, afirma Sergio.

Se a área social antes era mínima, a reforma subverteu essa disposição ao crescê-la incorporando um dos três quartos. O outro virou closet para a agora ampla e única suíte Fran Parente/Fran Parente

A união de cômodos aumentou a luminosidade natural da sala, que antes contava com apenas uma porta-balcão – agora são três. Ao abrir a cozinha, surgiram dois canos da tubulação do prédio que não poderiam ser retirados. A solução? Pintados de esmalte preto fosco, eles sustentam a nova mesinha curva de MDF e lâmina de freijó usada como bar. O piso dessa área é de tecnocimento (NS Brazil). Fran Parente/Fran Parente

Diante da sala escura e com distribuição pouco prática, o arquiteto Rodrigo Ohtake, autor da obra no apartamento de 85 m², votou pela integração de um dos quartos, assim como pela abertura da cozinha. Desse modo, o estar ganhou outros dois janelões, alguns metros a mais e suficiente luz natural. “A união dos cômodos fica evidente com a parede azul curva, quase escultórica, fronteira entre o espaço social e o privado”, diz Rodrigo.

Leia também: 10 apartamentos pequenos cheios de soluções com 66 m²

Fran Parente/Fran Parente
Continua após a publicidade

Esse tipo de uso de tonalidades em blocos marcantes é algo fundamental no trabalho do arquiteto, cujas combinações superam o mero decorativo. “Elas vão surgindo junto com a planta, de modo que uma coisa não pode ser separada da outra. Além da questão estética, coloco a cor para enfatizar partes importantes do projeto, justamente o caso dessa parede de 8 m de comprimento, algo raro em um imóvel deste tamanho”, ensina ele.

“A cozinha tem de ser divertida, especialmente se o morador gosta de usá-la para receber convidados”, diz RodrigoOhtake. A execução dos armários laminados coube à Marcenaria Casa 10 Planejados. Fran Parente/Fran Parente

Outro exemplo é a coluna de concreto larga no meio da sala: o elemento sobrevivente do quebra-quebra foi coberto com o cinza acetinado. “Nas reformas, a estrutura existente pode, muitas vezes, atrapalhar. Colori-la é uma das maneiras de lidar com a questão.”

Irreverente, a entrada para a área íntima, erguida com drywall, dá o recado do projeto: cores fortes valorizando os elementos da estrutura. Fran Parente/Fran Parente

Do mesmo modo, se dá a inserção de formatos inesperados em pontos como a passagem para a área íntima. “Queria que essa entrada fosse intrigante e despertasse curiosidade. As formas precisam surpreender não só no espaço mas também nos detalhes”, comenta Rodrigo.

No verso da mesma passagem, o recorte pintado de laranja enquadra a visão da sala de estar, ampliada após a integração de ambientes. Fran Parente/Fran Parente
Continua após a publicidade

Publicidade