Casa Created with Sketch.

Três varandas com spa e ducha

Ideias simples transformam esses cantos da casa ou do apartamento em áreas onde a água é a atração principal. Inspire-se e crie a sua área de lazer.

Matéria publicada em Arquitetura & Construção #308 – Dezembro de 2013

01-tres-varandas-com-spa-e-ducha

 (Divulgação/Divulgação)

Delícia de ducha.

A reforma da área do chuveirão foi a chave para converter o terraço antes árido no local mais querido da família. Após esconder a tubulação com o painel de peroba (réguas de 7 cm de largura da mesma madeira cobrem os bancos e compõem o deck), a arquiteta carioca Cristiane Passos construiu um tanque de alvenaria (2,75 x 2,22 m) revestido com pastilhas (Colormix). Fetiche do apartamento, o recorte (1,15 m de diâmetro) no painel de madeira encaixado numa esquadria da cobertura permite que, durante o banho, aviste-se um ícone da cidade, o morro dois Irmãos. Chuveiro Aquamax, da deca.

 

02-tres-varandas-com-spa-e-ducha

 (/)

SPA mais acolhedor

Nesta casa, a área de lazer de 120 m2 possuía um generoso spa (Spas Versati) de 2,50 m de diâmetro e 0,86 m de profundidade, com direito a cascata. Mas o revestimento de alvenaria e pedra bruta do entorno desagradava aos moradores. A arquiteta paulista Teresa Simões resolveu a questão com o projeto de marcenaria (dupará Pisos). “Revestimos as  ordas com cumaru e aplicamos o material no muro até o jardim, dando uniformidade e aconchego”, diz ela. O painel de 7 x 1,30 m ainda oculta a tubulação da queda-d’água. Cobertura de vidro laminado revestido com película refexiva. Mesinha e lanterna da L’oeil, pufes da Tidelli e toalhas da Trousseau.

 

03-tres-varandas-com-spa-e-ducha

 (/)

Chuveirada com cartão-postal

Quando encontrou esta cobertura num bairro nobre de São Paulo, o proprietário queria que a varanda – então fechada – voltasse à confguração original. Ao arquiteto Silvio oksman coube remover os fechamentos, trazendo sol e ar fresco aos 40 m2. A nova estrela do lugar é o chuveirão (comprado em uma pequena loja de bairro), instalado num ponto com vista privilegiada. o guarda-corpo de vidro (6 mm e 1,50 m de altura) corta o vento e permite observar edifícios-símbolo da cidade e a serra da Cantareira enquanto se toma uma ducha. No piso, o deck de ipê apoia vasos grandes.

Ligação esperta. Como os moradores queriam água quente e fria no chuveiro da varanda, foi preciso puxar a tubulação de um reservatório próximo ao banheiro principal, a 17 m de distância. os canos ficam escondidos sob o deck e dentro da base de alvenaria com requadro de madeira – que se eleva até a altura dos misturadores (deca). A água cai, escoa pelo deck e segue pelo ralo colocado logo abaixo.

 

 

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s