Os pets e a decoração

Manter a casa em ordem com cães e gatos brincando mordendo e arranhando exige paciência e atenção. Os especialistas ajudam você a ter um bichinho com mais tranquilidade.

Texto Samira Almeida

Animais de estimação estão cada vez mais presentes nas famílias. De acordo com a veterinária Caroline de Tulio, “cuidar de um pet é um ensaio para a convivência social, principalmente para crianças, que, além de fortalecerem o sistema imunológico, desenvolvem responsabilidade e afetividade”. Mas é importante saber que adotar um bichinho significa mudar a rotina da casa. “O pet é mais um morador, tem suas necessidades e seu espaço. É importante respeitá-lo”, explica Rubia Burnier, consultora de comportamento animal. Para garantir a satisfação de moradores e pet, deve-se escolher um animal adequado ao espaço e à rotina da casa, além de acabamentos práticos e duráveis na decoração.

Tecidos mais resistentes

 

Verdadeiros parques de diversão para os gatos, estofados e cortinas podem durar mais se tiverem tramas fechadas, como a camurça, a lona e o algodão. O uso de capas também é interessante. Nesse caso, é fundamental que o tecido seja resistente às constantes lavagens. A linha de tecidos Washed, da JRJ (galeria), é ideal para capas de estofados porque pode ser lavada e seca em máquina residencial e não desbota. O seridó bordado custa 289 reais, o metro, e o linho bordado, 318 reais, o metro.

Pisos que não escorregam

 

Chão muito liso, tapetes soltos pela casa e escadas em caracol são um desafio para os cães. A tendência é que desenvolvam problemas nas articulações. Por serem térmicos, mais resistentes a riscos e laváveis, os revestimentos vinílicos são uma boa opção, mas não uma garantia. “Qualquer piso deve ser limpo imediatamente caso o animal erre o lugar de fazer as necessidades”, explica Bianca Tognollo, gerente de marketing da Tarkett Fademac. O modelo Canela (galeria), da Fademac, que tem textura e visual semelhante ao da madeira, custa cerca de 95 reais, o m², instalado.Quem não abre mão da madeira natural deve evitar o acabamento com verniz. “Os pisos laminados com vinco sincronizado (textura parecida com a da madeira natural) também são interessantes, pois, além da textura, resistem bem a arranhões”, como explica Belmiro Fortuna, diretor da Léo Madeiras. Já o carpete, embora seja ótimo para os animais, pois é aconchegante e não escorrega, tem dois inconvenientes: é difícil de limpar e pode se tornar um abrigo de pulgas.

Brincadeiras ao ar livre

 

Se você tem um jardim, faça dele um espaço de diversão também para o pet. “O ideal é dividi-lo em duas partes: uma sua, com as plantas mais delicadas, e outra de domínio exclusivo do bicho”, explica Rubia. Para isolar seu espaço, use plantas de caule e folhas grosseiras, como a agave e a fênix. Gatos gostam de ervas aromáticas e palatáveis. Já os cães podem se deliciar com frutíferas. Seu amigo cão também pode aproveitar a piscina. “Nesse caso, é importante que o pH da água esteja entre 7,0 e 7,4, e o nível de cloro, entre 1 e 3 ppm para garantir a desinfecção”, conforme explica Fabio Forlenza, técnico em piscinas da HTH. Verifique se ele não tem alergia ao cloro.

Espécies proibidas

 

Plantas leitosas (antúrio, copo-de-leite, bico-de-papagaio, comigo-ninguém-pode) e mais:

Espécies permitidas

 

Para agradar aos gatos, escolha lavanda, menta, cidreira, erva-doce, tomilho, manjericão e hortelã. Para os cães, amora, goiaba e pitanga. Citronelas são um repelente natural contra pragas.

Dicas para escolher e educar o pet

 

- Avalie se o tamanho e o nível de atividade do pet combinam com seu estilo de vida. “Para escolher o bicho certo, busque informações com um veterinário de confiança, de preferência um que não venda os bichos”, diz o veterinário e consultor de comportamento animal Daniel Svevo Costa.

- “Felinos gostam de lugares altos e é bom prevenir acidentes usando telas”, diz a veterinária Mitika K. Hagiwara, que completa, alertando que o ideal é dar banhos semanais em cães: “Banhos em excesso tiram a proteção natural da pele”.

- “Evite prender o cão na varanda, mesmo que espaçosa. Ele vê e ouve os ruídos da rua e da casa, mas não pode interagir e isso cria a frustração”, diz Rubia, que chama a atenção para a necessidade de haver um espaço na casa apenas para o bicho.

- “É sempre bom buscar conhecimento para educar seu pet, mas existem animais que dão mais trabalho e, quando as atitudes não surtirem efeito, deve-se buscar a ajuda profissional. Isso pode ser feito a qualquer tempo”, explica Daniel.

Higiene e saúde

 

O espaço do pet exige limpeza diária. “Para evitar poeira e pelos, varra com um pano úmido na vassoura. Se houver carpete ou tapete, use aspirador. Comece pelo ambiente menos sujo, do canto para a porta de saída”, ensina Marcelo Lima, responsável pelo treinamento das equipes de limpeza da Nova Rio. Já para eliminar urina e fezes em carpetes, o movimento deve ser de fora para dentro (para não espalhar bactérias) com esponja. Evite sabão em pó, alvejantes e cloro e prefira detergentes neutros e desinfetantes não alcalinos. Se o pet tiver alergias, passe um pano úmido após a aplicação dos produtos ou uma mistura de água, vinagre e álcool.

Para saber mais

 

O livro Larousse do Cão e do Cãozinho reúne fichas de 258 raças. Preço: 119 reais. Já o volume Larousse do Gato e do Gatinho traz dicas detalhadas de 60 raças. 99 reais.

Casa Claudia
revista-casa-claudia-fevereiro-pets-decoracao_03
.
Fechar

Curta CASA CLAUDIA no Facebook