Flor de cerejeira na decoração: em papel de parede, arranjos e tecidos

É chegado o mês da floração dessa espécie nativa do Japão, que encanta os paulistanos e inspira as lojas de decoração a usar sua beleza nos produtos para casa.

em CASA CLAUDIA

No começo de agosto, a cidade comemora a florada das cerejeiras. A beleza efêmera das flores dura poucos dias, mas é inspiradora. Se você sentir desejo de ter flores de cerejeiras na sua casa, vá direto as fotos abaixo.

Preços pesquisados em julho de 2012

Aprenda a cultivar cerejeiras

 

Apesar de as flores da cerejeira darem o ar da graça por cerca de 20 dias por ano, nos meses de julho ou agosto no Brasil, a muda dessa árvore pode ser adquirida o ano todo. “Elas têm cerca de 30 cm e custam em média 150 reais”, conta o produtor Edson Silva. Segundo ele, que tem um boxe na Feira de Flores – de terça e quinta-feira – da Ceagesp, em São Paulo (boxe 270, coluna 44, tel. 11 7047-7242), a melhor época para o plantio é de julho a setembro. “A cova deve ter 20 cm de diâmetro e 30 cm de profundidade. Basta colocar esterco e húmus de minhoca e regar o solo três vezes por semana com 2 litros de água.” A árvore cresce até cerca de 4 m, mas, para ficar mais baixa e com o diâmetro maior, a poda é bem-vinda. “Em um ano, ela já começa a florir e chega a 60 cm de altura.”

Aprenda a fazer um arranjo com cerejeiras 

 

Ideais para serem usados em lugares bem iluminados, arejados e sem incidência direta do sol, os arranjos com flor de cerejeira são de fácil manutenção. “A quantidade da água no recipiente deve estar cerca de quatro dedos acima da base do galho. Todos os dias é preciso trocar a água e cortar 2 cm do caule na diagonal”, explica a florista Emanuele Veneri (tel. 11/9219-4150). Para ela, os vasos transparentes são os mais indicados. “É que os galhos também são muito bonitos e assim podem ser apreciados”, explica. Em média, um caule com cerca de 1 m custa 10 reais.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

Reportagem Visual Paulo Lagreca | Texto Keila Bis | Fotos Evelyn Müller

rede mdemulher