Especialistas revelam os tons que trazem bem-estar

Descubra qual é a melhor cor para você pintar os ambientes de sua casa.

Por Cristina Bava Texto Denise Gustavsen Fotos Luis Gomes

Coloque uma pitada aqui e outra ali dos matizes que mais lhe agradam. Uma combinação bem dosada, mesmo entre tons fortes, pode aquietar o espírito e intensificar a alegria. Claro, os aspectos culturais, geográficos e climáticos têm influência na percepção das cores. Mas o certo é que, em equilíbrio, proporcionam conforto. “A diversidade cromática da natureza é fundamental dentro de casa, inclusive para estimular o bom humor”, diz João Carlos de Oliveira César, professor de tecnologia da cor da FAU-USP. Inspire-se também em combinações lindas e aconchegantes para mudar as cores de sua casa.

Um mix quente e iluminado

Divulgação

Um título para uma foto sem titulo

O vermelho se une ao amarelo e ao laranja e imprime força à decoração. “Cores vibrantes são aliadas na conquista de estados de espírito mais animados”, diz Paola Vieira, gerente de marketing da Coral. “Juntas, produzem a sensação de movimento.” Só tome alguns cuidados. A combinação funciona melhor em cenários de clima moderado. Nos lugares ensolarados o ano inteiro, onde a luz é mais intensa, pode cansar e, em vez de acolher, causa estresse. Nuances picantes também não se afinam com pessoas muito agitadas, sob o risco de uma overdose. Busque a harmonia pontuando o espaço com uma tonalidade neutra: uma base cinza sempre cai bem nesse arranjo, a exemplo desta sala.

Azul e marrom: combinação leve

Divulgação

Um título para uma foto sem titulo

Ao lado do branco, o turquesa quebra a monotonia do marrom e propõe um jogo relaxante. Enquanto o azul traz vida aos tons terrosos, estes ressaltam a característica de quietude do azul, que remete à sensação de apreciar a imensidão sem fim do céu e do mar. Por causa dessa capacidade de introspecção, o tom azul estimula um sentido de refúgio próprio para dissolver a tensão do dia-a-dia. “São impressões assim que garantem o conforto mental”, explica o professor de psicologia do desenvolvimento humano Lino de Macedo, da USP. Como neste projeto, o tom fica bem em paredes para as quais o olhar se volta, como na frente do sofá e da cama.

Nuances em torno do bege

Divulgação

Um título para uma foto sem titulo

Uma paleta de tonalidades neutras não precisa ser monótona. O truque? Equilibrar tons fortes e delicados do mesmo matiz na decoração, como mostra esta sala. Peças com diferentes graduações de bege podem gerar uma atmosfera estimulante, pois o olhar se encanta com o vai-e-vem das nuances. Quando o dourado se une ao cáqui e ao bege, o resultado é uma vibração calma e aconchegante. Mas o ideal é ter um elemento de tom contrastante. “Por gerar frieza, a neutralidade total não esquenta a alma”, diz a física Monique Deheinzelin, que se aprofundou mais no assunto quando começou a pintar. “O melhor é investir numa cartela que reproduza as variações do ser humano, de força e suavidade.”

Verde: o tom que refresca

Divulgação

Um título para uma foto sem titulo

Tingir paredes de verde pode avivar lembranças cheias de frescor: um gole de chá de menta, uma brisa, um passeio na montanha. Como perpetua a sensação de encontro com a mata, o verde é sempre bem-vindo dentro de casa. “Cores que derivam dos tons da natureza estão ganhando notoriedade”, conta o designer de interiores Fabio Galeazzo. Nessa paisagem colorida, amarelos, marrons e púrpuras aparecem para formar uma divertida cartela. Ponto, então, para a combinação usada com maestria nesta sala, que foi renovada pela pintura vivaz de uma das paredes. Destaque na decoração, esta mistura de tons traz uma variação cromática que garante o alto-astral.

A ousadia veste rosa

Divulgação

Um título para uma foto sem titulo

De personalidade extrovertida até nas nuances mais aquareladas, o matiz se contrapõe à sobriedade do cinza com elegância e alegria. Os tons derivados do rosa também garantem uma dose de calor quando combinada com cores frias. “Características cromáticas tão diferentes convivem bem desde que tenham luminosidade e saturação próximas”, explica o professor João Carlos de Oliveira César. Com a fama de estar ligado ao universo feminino em algumas culturas, o rosa ganhou uma aura moderna e evoca sentimentos de afetividade. A cor aceita bem a companhia tranqüilizadora de nuances próximas, como o roxo e o lilás.

Curta CASA CLAUDIA no Facebook

-->