Cortinas: regras para acertar nas medidas

Desvendamos o mistério que ronda o caimento do tecido, o comprimento da cortina e até sua distância em relação ao teto.

Texto Lara Muniz Reportagem Visual Paulo Lagreca Fotos Ana Casatti Ilustrações Rebeca Simone

Divulgação
O banco e a luminária (ambos da CLAMI DESIGN) compõem a área vizinha à ja...
Aqui, a cortina curta que ocupava toda a largura da parede cedeu lugar a um modelo longo e mais estreito, que se restringe ao vão da janela. A solução deixa o ambiente mais leve. "O espaço que sobra nas laterais pode ganhar quadrinhos ou até uma luminária", sugere Rosamaria Costa, da Casa Mineira, loja paulistana de cortinas. Se você não gosta ou não pode ter uma cortina até o chão porque há um móvel na frente, por exemplo, veja a sugestão de Rosamaria: "Experimente trocar a cortina curta por um painel reto do tipo rolô, que não tem as dobras verticais. Fica mais elegante. O melhor tecido para esse painel é o linho, mais encorpado". Cores e estampas estão liberadas, desde que em harmonia com a decoração. Modelos lisos são sempre corretos e fáceis de combinar. Antes de escolher o tecido, veja se ele resiste ao sol -  tons fortes e estampas podem desbotar se expostos a muita claridade.O banco e a luminária (ambos da CLAMI DESIGN) compõem a área vizinha à janela, que recebeu cortina longa de algodão (R$ 172,40 o par na Cinerama, com 1,40 x 2,80 m as folhas somam 2,80 m de extensão) e, à frente, futons coloridos (R$ 59,90 cada na mesma loja).
.
Fechar

Curta o CASA.COM.BR no Facebook

-->