Aprenda a fazer um terrário, a mini floresta em vaso

Sem espaço para plantar um jardim? Com um terrário, você pode ter até uma microfloresta

Atualizado em

em CASA CLAUDIA

*Matéria publicada em Casa Claudia #617 - Janeiro de 2013

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

Eles mexem com a imaginação porque parecem um resumo da natureza, que você observa de cima, como se fosse um gigante. “Terrários podem ser feitos em qualquer tipo de vaso desde que seja transparente”, afrma o engenheiro forestal e paisagista Thiago André, que assina os microjardins acima e à direita. Essas paisagens em miniatura também são uma ótima ideia para quem vive em espaços pequenos e deseja resgatar a proximidade com o verde. Bem feito e bem cuidado, um terrário dura anos. “Procuro usar plantas com necessidades de manutenção parecidas. O melhor é que tenham folhas pequenas e crescimento lento”, explica o paisagista.

Marco Antonio
	O Terrário feito por Thiago André num vaso da Uemura Flores e Plantas (49 cm de diâmetro), custa 950 reais.
O Terrário feito por Thiago André num vaso da Uemura Flores e Plantas (49 cm de diâmetro), custa 950 reais.

Mundos particulares de uma artista

Nos terrários da artista plástica Vivian Kass, surgem cenas fabulosas povoadas por bichos de plástico, bonecas e caveiras garimpados pela cidade. “Compro muita bugigangae trago para o ateliê. Uso em meu trabalho coisas com as quais convivo”, conta. Com as espécies, não é diferente: a maior parte vem de seu quintal. “Pego plantas da rua também. Adoro um musgo de calçada.” Uma particularidade dos terrários de Vivian é que todos têm tampa – ela monta os microambientes, rega e, depois que os fecha, raramente volta a abri-los. “O processo natural é bem-vindo. Às vezes, uma planta morre. Em outras, nascem musgos, ervas daninhas, fungos.”

Marco Antonio
	Este terrário de Thiago André custa 1,9 mil reais (60 cm de altura).
Este terrário de Thiago André custa 1,9 mil reais (60 cm de altura).
Marco Antonio
	Expert em criar paisagens - Foi numa temporada morando em Nova York que Thiago André começou a montar terrários para compensar a falta de verde durante o inverno rigoroso. “Geralmente, componho um local onde eu gostaria de relaxar ou passear, um paraíso particular.” De tanto criar essas “florestas encapsuladas”, como diz, ele hoje sabe como mantê-las bonitas. Se o vaso for aberto, borrife 250 ml de água com um spray três ou quatro vezes por semana. Para vidros fechados, são os mesmos 250 ml de água uma vez ao mês. A exposição ao sol deve ser indireta para não queimar as plantas. Adubar é desnecessário e pode danificar algumas espécies de musgo.
Expert em criar paisagens - Foi numa temporada morando em Nova York que Thiago André começou a montar terrários para compensar a falta de verde durante o inverno rigoroso. “Geralmente, componho um local onde eu gostaria de relaxar ou passear, um paraíso particular.” De tanto criar essas “florestas encapsuladas”, como diz, ele hoje sabe como mantê-las bonitas. Se o vaso for aberto, borrife 250 ml de água com um spray três ou quatro vezes por semana. Para vidros fechados, são os mesmos 250 ml de água uma vez ao mês. A exposição ao sol deve ser indireta para não queimar as plantas. Adubar é desnecessário e pode danificar algumas espécies de musgo.
Marco Antonio
	Terrário no ateliê de Vivian Kass
Terrário no ateliê de Vivian Kass
Marco Antonio
	Lacrados, os terrários criados por Vivian Kass crescem intocados e obedecem aos desejos da natureza.
Lacrados, os terrários criados por Vivian Kass crescem intocados e obedecem aos desejos da natureza.
Marco Antonio
	Fungos inesperados deixaram peludo o coelho folheado a ouro do terrário de Vivian Kass
Fungos inesperados deixaram peludo o coelho folheado a ouro do terrário de Vivian Kass
Marco Antonio
	Terrários no ateliê de Vivian Kass
Terrários no ateliê de Vivian Kass
Marco Antonio
	Terrários de Vivian Kass
Terrários de Vivian Kass

*Matéria publicada em Casa Claudia #617 - Janeiro de 2013

rede mdemulher